Morreu o artista norte-americano Z'EV

Pioneiro da música industrial, Stefan Weisser morreu poucos dias depois de ter feito uma residência artística de dois meses no Porto

O músico e poeta norte-americano Stefan Joel Weisser, conhecido como Z'EV, morreu no sábado aos 66 anos em consequência de um problema pulmonar, revelou hoje a associação Sonoscopia.

Pioneiro da música industrial, Stefan Weisser morreu poucos dias depois de ter feito uma residência artística de dois meses no Porto, a convite da Sonoscopia, que incluiu 'masterclasses' e uma apresentação pública, que terá sido a última do artista.

"Foi um pioneiro da música, uma referência para nós. Nos anos 1970, foi um dos primeiros a usar percussões a partir de restos de materiais e de metais, uma prática que depois se banalizou na música industrial", explicou à Lusa Gustavo Costa, da direção da Sonoscopia.

Nascido em Los Angeles em 1971, Stefan Weisser passou a designar-se Z'EV em 1978, já depois de ter estudado percussão, ter integrado um trio de jazz, de ter aprofundado estudos sobre esoterismo e espiritualidade e de ter começado a produzir poesia sonora e visual influenciado pelo dadaísmo e pelo futurismo, como se lê no seu 'site' oficial.

"É uma das figuras mais enigmáticas e fascinantes da cena avant-garde (...), um dos pioneiros absolutos da música industrial e uma presença forte na cena musical de Nova Iorque, tocando com Elliott Sharp, Wharton Tiers e Glenn Branca", sustenta a Sonoscopia.

Segundo Gustavo Costa, foi na residência no Porto que Z'EV fez as últimas composições, construiu instrumentos de percussão e fez a última performance pública.

"Temos as últimas gravações, as últimas peças, fotos dos concertos e estamos a conversar com a família", disse.

Desde 1980 editou mais de 70 álbuns, a solo e em colaborações.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.