Metropolitana vai despentear músicos

Na temporada de 2017/18, a Orquestra Metropolitana de Lisboa quer estimular intérpretes e público

A temporada de 2017/18 da Orquestra Metropolitana de Lisboa, ontem apresentada em conferência de imprensa, totaliza 150 concertos e foi pensada sob a ideia da tensão entre continuidade e reinvenção. "Por um lado temos de ter a consolidação de tudo o que fizemos e que é determinante numa instituição. A continuidade é fundamental senão não se ganham métodos de trabalho, nem políticas de programação coerentes. Mas não há continuidade que não esmoreça se não for provocada, se não for despenteada por uma reinvenção dos projetos. Vamos desafiar o público para projetos de âmbito novo", explicou o diretor artístico da Metropolitana, Pedro Amaral.

São exemplos de reinvenção a presença da OML no palco do São Luiz em O solene resgate ou a reconquista de Olivenza, um espetáculo do encenador Ricardo Neves-Neves (8 a 18 de março); no mesmo espaço, acompanhar Sérgio Godinho numa revisitação da carreira (5 a 8 de julho); ou com o espetáculo KW - Kurt Weill, de Adriana Queiroz, com o pianista Francisco Sassetti (16 e 17 de setembro). Outra forma de reinventar-se passa pela "interpretação de obras raras, interessantes para o público e estimulantes para os músicos", caso da 6.ª Sinfonia de Mahler (no encerramento da temporada, 10 de junho de 2018). "Em 25 anos esta é uma rara sinfonia que nunca tínhamos abordado, e para nós era fundamental um desafio novo. Uma obra de uma enorme exigência técnica, de uma grande dificuldade em encontrar a coerência." Pedro Amaral destaca ainda o concerto de comemoração dos 500 anos da Reforma cristã (21 de outubro), na qual, lado a lado com a sinfonia que comemora a Reforma, a 5.ª de Mendelssohn, está uma criação contemporânea de um jovem compositor português, Francisco Chaves (Concerto de sombras).

Também os artistas convidados para a próxima temporada refletem essa marca de reinvenção: além do violoncelista russo Pavel Gomziakov e do compositor e maestro finlandês Magnus Lindberg, o português Joel Santos associou as fotografias de viagens à imagem da Metropolitana.

O diretor executivo da Associação Música Educação e Cultura (AMEC/Metropolitana), António Mega Ferreira, anunciou que o novo mandato dos órgãos sociais iniciou-se "sob os melhores auspícios", e que a instituição vive um "ciclo de consolidação e expansão". São disso exemplo o acordo de geminação com o Coro e a Orquestra da RTVE e a abertura, no próximo ano letivo, de uma turma de 7.º ano na escola da Metropolitana (até agora só funcionava do 10.º ao 12.º ano).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.