Manuscritos do Marquês de Sade considerados tesouros nacionais para impedir leilão

Valor estimado do documento, escrito durante a sua prisão na Bastilha, situa-se entre quatro e seis milhões de euros

O manuscrito dos "120 Dias de Sodoma", de Marquês de Sade, e os "Manifestos do Surrealismo", de André Breton, foram classificados como tesouros nacionais, para impedir a sua saída da França, revelou a casa de leilões Claude Aguttes.

Os textos, que estavam integrados num lote de documentos históricos pertencentes ao fundo de investimentos Aristophil, deixam, assim, de poder ir ao leilão que estava previsto para hoje.

O Ministério francês da Cultura "propôs uma negociação de comum acordo para a aquisição dessas obras ao preço do mercado internacional", disse Claude Aguttes, na segunda-feira.

Esta decisão poderá significar a retirada de venda do rolo do manuscrito assinado por Sade, estimado entre quatro e seis milhões de euros e escrito durante a sua prisão na Bastilha, e do conjunto de manuscritos de André Breton, que inclui os dois Manifestos do Surrealismo, estimados em cerca de quatro milhões de euros.

A retirada desses lotes de Sade e de Breton (cinco no total) deverá ser autorizada pelo administrador da liquidação da Aristophil. A casa de leilões Aguttes poderá então entrar em negociações com o Estado.

A Aguttes foi mandatada pelo Tribunal de Grande Instância de Paris para organizar a venda das 130 mil peças apreendidas do fundo de investimento Aristophil, uma empresa suspeita de ter enganado os seus investidores com o negócio da compra de famosos manuscritos.

O leilão de hoje é o primeiro de 300 previstos em seis anos para dispersar o fundo Aristophil.

Dezoito mil investidores, a quem a Aristophil propôs investir em manuscritos de prestígio, esperam que este seja um começo de compensação, enquanto os processos criminais e civis decorrem.

Hoje deverá também ser leiloado um dos únicos manuscritos de Honoré de Balzac ainda em mãos privadas, "Ursule Mirouët" (1841), estimado entre 800 mil e 1,2 milhões de euros.

Outras peças incluídas no lote são a "História de Alexandre o Grande", de Quinto Cúrcio Rufo, ou a história manuscrita de Helen Churchill Candee, sobrevivente do Titanic e uma das fontes de inspiração de James Cameron.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.