Manifestantes interrompem inauguração de retrospetiva de Polanski

Cerca de 80 pessoas protestaram junto à Cinemateca francesa. Duas mulheres tiraram as camisolas

Já era de prever que acontecesse, tal foi a contestação antes da inauguração da retrospetiva da obra de Roman Polanski, 84 anos, na Cinemateca Francesa, em Paris, devido às acusações de abusos sexuais de que o cineasta é alvo. Cerca de 80 manifestantes concentraram-se junto àquele espaço, com palavras de ordem e cartazes, obrigando o realizador a entrar pelas traseiras. Duas ativistas do grupo Femen usaram a forma de protesto habitual: tiraram as camisolas e mostraram o tronco nu pintado com slogans.

"Pedófilo muito importante", lia-se no corpo nu de uma destas mulheres. "Se a violação é uma forma de arte dêem todos os Césares a Polanski", dizia um cartaz fazendo referência aos prémios do cinema francês.

Roman Polanski, presente no evento para apresentar o novo filme, Based on a True Story, foi obrigado a entrar na Cinemateca Francesa por uma porta nas traseiras com a ajuda de seguranças. Há uns dias várias associações feministas tinham pedido Cinemateca Francesa para desmarcar a retrospetiva. No entanto, o diretor do espaço repudiou a "lógica de linchamento".

"[A Cinemateca] não dá recompensas nem certificados de boa conduta. A nossa ambição é diferente [e consiste] em mostrar as obras dos cineastas na sua totalidade, colocando-os no fluxo da história permanente do cinema", salientou Fréderic Bonnaud em comunicado.

Na sua perspetiva, "o trabalho de Polanski, que inclui filmes de género e [com] confissões dolorosas, relata as inúmeras tragédias do século XX (...) de forma sublime".

O realizador é acusado de vários crimes sexuais.

A acusação mais recente data do início deste mês quando a polícia suíça anunciou que estava a investigar acusações de agressão sexual feitas por uma mulher que afirma ter sido agredida pelo realizador franco-polaco em Gstaad, em 1972.

Renate Langer, agora com 61 anos, assegura ter sido violada por Polanski quando tinha 15 anos. É a quarta mulher a sair da sombra para acusar o realizador

Em 1977, o cineasta reconheceu ter tido relações sexuais ilegais com Samantha Geimer, então com 13 anos, na casa de Jack Nicholson, em Los Angeles, enquanto este estava fora em viagem.

Em 2010, a atriz britânica Charlotte Lewis declarou que o realizador tinha-a forçado a ter uma relação sexual quanto ela tinha 16 anos.

Uma terceira mulher, identificada como 'Robin', tinha acusado o realizador em agosto de agressão sexual, quando ela tinha 16 anos, em 1973.

Langer justificou ter saído agora do silêncio com as declarações de 'Robin' e porque os seus pais já não estão vivos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.