Mais 100 mil pessoas nos museus e palácios em 2014

Os monumentos, museus e palácios da Direção Geral do Património Cultural (DGPC) fecharam 2014 com mais 100 mil visitantes do que em 2013, num total de 3 577 433 de visitas.

O Mosteiros dos Jerónimos é o monumento mais visitado com pouco mais de 807 mil visitas. Entre os museus, é no de Arte Antiga que regista o maior número de entradas, com 221 675, ultrapassando assim o Museu Nacional de Coches (com quase 207 mil), de acordo com números divulgados hoje pela DGPC. O aumento acontece à boleia da exposição "Rubens, Brueghel e Lorrains. A Paisagem Nórdica no Prado", que trouxe a Lisboa um conjunto de obras da instituição espanhola.

Os monumentos sob alçada da DGPC registam mais de metade das entradas contabilizadas com 2, 1 milhões de visitantes. Destes, cerca de 1,8 milhões são estrangeiros. A Torre de Belém é o segundo mais visitado com 530 mil.

O Palácio Nacional de Mafra também aumentou em 30 mil o número de visitantes (274 255 em 2014) ultrapassando o Palácio Nacional da Ajuda (PNA). Com mais de 253 mil visitantes em 2013, mercê da exposição da artista Joana Vasconcelos neste local, foi visitado por 53 534 no último ano. Estes números representam um aumento de 3 mil relativamente a 2012, um ano em que o PNA não albergou exposições externas, tal como aconteceu em 2014, um facto sublinhado pela DGPC na sua análise dos números. Os Palácios sob a alçada da DGPC registaram um total de 327 789 visitas.

Esta semana foram também conhecidos os dados dos Palácios da Parques Sintra- Monta da Lua. O mais visitado é o Palácio Nacional da Pena (e o seu Parque), com 889 mil visitantes. O Palácio Nacional de Sintra recebeu 445 mil visitas e Monserrate 93 mil. Em Queluz estiveram 132 mil.

A Parques de Sintra inclui ainda o Castelo dos Mouros (307 mil)m Convento dos Capuchos (33 mil), o Chalet da Condessa d' Edla (25 mil) e a Quintinha de Monserrate (4 mil).

Ao todo, 1 928 milhões de visitantes passaram por estes monumentos, um aumento de 13% de acordo com a empresa. E, também aqui, são os estrangeiros que estão em maioria (86% de estrangeiros, 14% de nacionais). E desses, as nacionalidades espanhola e francesa as que estão em maioria.

Exclusivos