Louvre foi o museu mais visitado em 2012

O Museu do Louvre, em Paris, foi o mais visitado no ano passado, com quase 10 milhões de visitantes, segundo a lista ontem divulgada pelo The Art Newspaper. Serralves e a o Museu Coleção Berardo marcam a presença portuguesa nas exposições mais visitadas em 2012.

O Louvre voltou a encabeçar a lista dos museus mais visitados do ano, o que acontece desde 2007 desde que este ranking foi criado, com 9.720.260 visitantes - mais um milhão do que em 2011. Nesta lista seguem-se o Metropolitan Museum of Art (6.115.881), em Nova Iorque, e o British Museum (5.575.946), em Londres.

Quanto às exposições mais visitadas em 2012, a medalha de ouro vai para 'Masterpieces from the Mauritshuis', no Tokyo Metropolitan Art Museum, em Tóquio, que recebeu 758.266 visitantes entre 30 de junho e 17 de setembro - uma média de 10.573 por dia. Em segundo lugar ficou 'The Amazon: Cycles of Modernity', no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, com 374.876 visitantes entre 29 de maio e 22 de julho - uma média de 7.928 por dia. O top 3 fecha com '19th century Italian Painting' patente no State Hermitage Museum, em São Petersburgo, que teve 425 mil visitantes entre 19 de novembro de 2011 e 22 de janeiro de 2012 - com uma média diária de 7.747 visitantes.

Portugal está representado nesta lista com nove exposições patentes no Museu Serralves, no Porto, e duas no Museu Berardo, em Lisboa. São elas:

- 'Marijke van Warmerdam', Museu Serralves, 21 de julho a 14 de outubro, com 100.653 visitantes (1.363 por dia)

- 'Nedko Solakov: All in Order, with Exceptions, Museu Serralves, 28 de julho a 28 de outubro, com 101.618 visitantes (1.272 por dia)

- 'BES Revelação 2011), Museu Serralves, 30 de novembro de 2011 a 4 de março de 2012, com 102.224 (1.255 por dia)

- 'Ernesto de Sousa/Alternativa Zero', Museu Serralves, 7 de julho a 26 de agosto, com 51.084 (1.165 por dia)

- 'Artur Barrio', Museu Serralves, 14 de abril a 1 de julho, 71.009 (1.046 por dia)

- 'Impressions of Raymond Roussel: Locus Solus', Museu Serralves, de 24 de março a 1 de julho, com 89.789 (1.046 por dia)

- 'Mathieu Kleyebe Abonnenc/Ricardo Valentim', Museu Serralves, de 14 de abril a 8 de julho, com 76.875 (1.041 por dia)

- 'Thomas Struth: Photography 1978-2010', Museu Serralves, de 28 de outubro de 2011 a 26 de fevereiro de 2012, com 103.166 (995 por dia)

- 'Eduardo Batarda: Not Again', Museu Serralves, de 26 de novembro de 2011 a 25 de março de 2012, com 100.317 (975 por dia)

- 'Vik Muniz', Museu Coleção Berardo, de 21 de setembro de 2011 a 29 de janeiro de 2012, com 105.774 (814 por dia)

- 'BES Photo 2012', Museu Coleção Berardo, de 14 de março a 27 de maio, com 46.870 (633 por dia)

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?