Tradução de Aquilino com nova edição

O clássico grego "A Retirada dos Dez Mil", de Xenofonte, traduzida por Aquilino Ribeiro, que é reeditada na segunda-feira, constitui "um dos mais movimentados e arrebatadores livros de ação", afirma Mário de Carvalho na introdução.

O original grego relata as atribulações de um exército helénico em retirada, depois de terminadas as Guerras do Peloponeso. Terminada a expedição mercenária à Pérsia, para combater por Ciro, o Jovem, contra o seu irmão Artaxerxes II, e apesar de vitorioso, o exército bateu em retirada para o Interior da Grécia, depois de atraiçoado num simulacro de armistício, que causou a morte dos seus chefes.

Traduzido por Aquilino Ribeiro, quando ainda era estudante em Paris, na Sorbonne, o texto acabou por ser prefaciado pelo autor de "Quando os lobos uivam" e publicado em 1938. A obra é reeditada na segunda-feira, pela Bertrand, na íntegra, acrescentado de uma introdução do escritor Mário de Carvalho.

A obra de Xenofonte (430-354 antes de Cristo) surgiu por acaso ao jovem Aquilino, quando se cruzou, em Paris, com um "homem, farto de letras e de anos", de seu nome Tournier, que insistiu em falar português. Era uma "personagem, bastante misteriosa, fechada como casa devoluta ou onde morreu alguém", afirma o autor de "O Malhadinhas" no prefácio.

Exclusivos