Romance inacabado de Saramago chega hoje às livrarias

O livro de José Saramago "Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas", chega hoje às livrarias, segundo anunciou a Porto Editora, que chancela a obra.

No início do mês, ao apresentar o plano editorial para 2014/15 o editor Manuel Alberto Valente salientou o "testemunho empenhado" do livro inédito e inacabado de José Saramago, como exemplo do investimento "crescente" da Porto Editora, na publicação de autores portugueses.

Em julho, quando a presidente da Fundação José Saramago, Pilar del Río, anunciou na revista Blimunda, a publicação da obra, afirmou que esta representava "uma forma de repúdio à violência".

"São poucos capítulos, mas o tema fica claro, o texto tem unidade", explicou Pilar Del Río, tradutora para espanhol da obra do Nobel português.

Os primeiros capítulos do romance incluem notas que o autor fez quando o começou a escrever.

"Neles, José Saramago antecipa o andamento e o desenlace da história que pretendia contar", afirma em comunicado a Fundação José Saramago.

"Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas", título inspirado nuns versos de Gil Vicente, tem como protagonista o funcionário de uma fábrica de armas que vive um conflito moral decorrente de seu trabalho, explica a mesma fonte.

José Saramago, falecido em junho de 2010 na ilha espanhola de Lanzarote, publicou, entre outras obras, "A Jangada de Pedra", "Levantados do Chão", "O Homem Duplicado", "Ensaio sobre a Cegueira" e o romance inicial "Clarabóia", editado postumamente, em 2011.

O autor foi distinguido com vários prémios nacionais e internacionais, como o Grande Prémio de Novela e Romance da Associação Portuguesa de Escritores, o Prémio Camões e o Nobel da Literatura, em 1998.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.