Primeira tradução portuguesa do livro de Casanova

"Mais do que um amante, foi um homem de letras e um 'filósofo'", é como Miguel Viqueira, editor responsável pela edição da tradução portuguesa do livro "História da minha Vida" de Casanova, o caracteriza.

Foi editada em junho a primeira tradução portuguesa de "História da minha Vida", o livro escrito em francês por Giacomo Casanova (1725-1798). A tradução é do poeta Pedro Tamen e foram escolhidas "1200 páginas das 4000 que constituem o livro completo" disse o editor Miguel Viqueira, responsável pela seleção e organização das memórias de Casanova.

"Mais do que um amante, foi um homem de letras e um 'filósofo'" salientou Viqueira, "que se relacionou com a melhor intelectualidade da época, como Rosseau e Voltaire". Em língua portuguesa, existe uma versão brasileira integral da obra, editada em 1957, "mas está esgotadíssima e ultrapassada", o que torna esta edição a "primeira antologia editada em Portugal".

A ideia que ficou do ícone Casanova para o mundo foi o de um "aventureiro, erótico e romanesco, um predador sexual", contudo, Miguel Viqueira atribui a culpa "às más traduções e acrescentos à posteriori", revelando Casanova como um "amante perfeito" e "um cavalheiro". "Não foi apenas o aventureiro amoroso, apesar de as mulheres constituírem a espinha dorsal da sua vida e dos seus escritos, e terem sido decisivas em algumas opções", acrescenta ainda.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.