Philip Roth não vai escrever mais livros

O escritor norte-americano Philip Roth, de 79 anos, anunciou que não vai continuar a escrever mais livros e que 'Némesis', publicado no ano passado em Portugal pela Dom Quixote, foi o seu último romance.

Em entrevista à revista francesa Les Inrockuptibles, no passado dia 7 de outubro, a propósido de 'Némesis', o seu último livro, Philip Roth afirmava que já não tem vontade de escrever: "Não tenho intenção de escrever nos próximos dez anos", dizia. "Acabei." E recordava o exemplo de E.M. Forster, que deixou de escrever ficção aos 40 anos.

Esta decisão foi confirmada à Salon pela editora de Roth, a Houghton Mifflin. "Ele diz que é verdade", afirmou a assessora de imprensa.

À Les Inrocks, Philip Roth justifica-se: "Não penso que um livro a mais ou a menos mudará o que quer que seja naquilo que já fiz. E se eu escrever um novo livro será, muito provavelmente, um livro falhado. Quem é que precisa de ler mais um livro medíocre?"

Por agora, Roth está ocupado a tratar dos seus arquivos. Não tenciona escrever as suas memórias mas tem milhares de documentos que irá deixar ao seu biógrafo, Blake Bailey. Material que poderá ser usado após a sua morte apenas para que a biografia seja escrita, e que depois deverá ser destruído. "Não quero que os meus papéis pessoais andem por aí. Ninguém tem de os ler."

O escritor contava também como, aos 74 anos, tomou consciência de que já não dispunha de muito tempo e se dedicou a reler os livros que o tinham apaixonado na juventude. Dostoievsky, Tourgueniev, Conrad, Hemingway... Depois, decidiu reler todos os seus livros, a começar pelo último, 'Némesis'. "Queria saber se tinha perdido o meu tempo a escrever." E chegou à conclusão que tinha feito o "o melhor que podia com aquilo que tinha".

Philip Roth é um dos mais importantes romancistas contemporâneos e o seu nome é recorrentemente referido como um dos candidatos ao Nobel da Literatura. Entre as suas obras, que fazem o retrato da América e do mundo, encontram-se 'A Mancha Humana', 'Casei com um Comunista' ou 'Pastoral Americana'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.