Novidades literárias ignoram autores consagrados

Só a escritora Lídia Jorge publicará um romance, 'Os Memoráveis', nesta 'rentrée' literária de 2014. Todos os outros autores portugueses consagrados não têm livros novos ou foram afastados das escolhas que as editoras fizeram para o início deste ano.

As principais apostas das editoras vão para as efemérides do centenário da Grande Guerra e para os 40 anos do 25 de Abril, sendo que a Revolução dos Cravos serve de pretexto para se publicarem duas importantes biografias. A do polémico dirigente comunista Pavel, de autoria de Edmundo Pedro, e a do homem da propaganda de Salazar, António Ferro, de Orlando Raimundo.

Sobre a Revolução será também polémico o livro de memórias do escritor português que vive na Holanda, J. Rentes de Carvalho, que editará em março 'A Flor e a Foice', um acerto de contas com o 25 de Abril. Segundo o autor revela ao DN, o seu livro "não vai ocultar a versão menos folclórica do 25 de Abril e os que do folclore retiraram grande honra e proveito".

Segundo Rentes de Carvalho, o seu relato "trará à tona os nomes de pessoas que até hoje nunca vi mencionadas, mau grado o papel que discreta e eficientemente desempenharam. É um relato fiel do que testemunhei e do que ouvi, acrescentado de informações, documentação a que tive acesso, e também de muito interesse e algum estudo".

Veja a lista das novidades literárias na edição e-paper do DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.