Novidades literárias ignoram autores consagrados

Só a escritora Lídia Jorge publicará um romance, 'Os Memoráveis', nesta 'rentrée' literária de 2014. Todos os outros autores portugueses consagrados não têm livros novos ou foram afastados das escolhas que as editoras fizeram para o início deste ano.

As principais apostas das editoras vão para as efemérides do centenário da Grande Guerra e para os 40 anos do 25 de Abril, sendo que a Revolução dos Cravos serve de pretexto para se publicarem duas importantes biografias. A do polémico dirigente comunista Pavel, de autoria de Edmundo Pedro, e a do homem da propaganda de Salazar, António Ferro, de Orlando Raimundo.

Sobre a Revolução será também polémico o livro de memórias do escritor português que vive na Holanda, J. Rentes de Carvalho, que editará em março 'A Flor e a Foice', um acerto de contas com o 25 de Abril. Segundo o autor revela ao DN, o seu livro "não vai ocultar a versão menos folclórica do 25 de Abril e os que do folclore retiraram grande honra e proveito".

Segundo Rentes de Carvalho, o seu relato "trará à tona os nomes de pessoas que até hoje nunca vi mencionadas, mau grado o papel que discreta e eficientemente desempenharam. É um relato fiel do que testemunhei e do que ouvi, acrescentado de informações, documentação a que tive acesso, e também de muito interesse e algum estudo".

Veja a lista das novidades literárias na edição e-paper do DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.