Nobel da Literatura é anunciado quinta-feira

O Prémio Nobel da Literatura 2011 será anunciado na próxima quinta-feira, 6 de Outubro, anunciou a Academia Sueca, que anualmente atribui o galardão. O poeta Adonis é o favorito, enquanto António Lobo Antunes está na 11.ª posição da tabela de apostas.

O poeta sírio Adonis, de 81 anos, este ano distinguido com o mais prestigiado dos galardões alemães, o Prémio Goethe - cujo júri o descreveu como "o poeta árabe mais importante do nosso tempo" - mantém-se na liderança da lista de candidatos ao mais prestigiado prémio literário do mundo, segundo a agência de apostas britânica Ladbrokes.

Em segundo lugar nas apostas, encontra-se outro poeta octogenário, o sueco Tomas Tranströmer, que era o grande favorito da agência de apostas no ano passado, mas os 18 membros do júri da Academia Sueca acabaram por escolher o peruano Mario Vargas Llosa.

O romancista japonês Haruki Murakami, que se encontrava na semana passada no oitavo lugar da lista, subiu agora para o terceiro lugar, destronando o norte-americano Thomas Pynchon, que passou agora a ocupar o sétimo lugar.

No quarto lugar na lista da Ladbrokes está agora o escritor húngaro Peter Nadas, seguindo-se-lhe a romancista argelina Assia Djebar, o poeta sul-coreano Ko Un e o poeta australiano Les Murray.

Completam o Top 10 o prestigiado romancista somali Nuruddin Farah e o poeta indiano K. Satchidanandan, cuja presença na lista de favoritos para o Nobel é considerada surpreendente e apenas possível devido a uma fuga de informação sobre a apresentação oficial da sua candidaturas, o que significa que está "vagamente na corrida".

A partir da 11.ª posição estão, além do autor romeno Mircea Cartarescu, alguns eternos "nobelizáveis", a começar pelo norte-americano Philip Roth, a quem se seguem os também norte-americanos Cormac McCarthy, Don DeLillo e Joyce Carol Oates, o irlandês John Banville e o português António Lobo Antunes, todos com a mesma probabilidade de ganhar.

Mais abaixo na lista de apostas, surgem outros grandes nomes da literatura universal, como os italianos Claudio Magris e Antonio Tabucchi, o israelita Amos Oz, a canadiana Alice Munro, a britânica A.S. Byatt e o checo Milan Kundera, também todos com a mesma cotação.

E ainda Margaret Atwood, Juan Marsé, Patrick Modiano, Vaclav Havel, Ian McEwan, Salman Rushdie, Javier Marías, Carlos Fuentes, William Trevor, Umberto Eco e Bob Dylan, que subiu agora para o meio da lista de 75 nomes, depois de ocupar na semana passada o último posto.

Abaixo dele, figuram ainda escritores como Juan Goytisolo, Peter Handke, William Trevor, David Malouf, Paul Auster, Per Petterson, Jonathan Littell, Jon Fosse, Peter Carey, Michael Ondaatje, Kjell Askildsen, Julian Barnes e Atiq Rahimi.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.