Morreu Gabriel García Márquez

O escritor colombiano e prémio Nobel da Literatura Gabriel García Márquez morreu hoje na Cidade do México aos 87 anos, informaram fontes familiares e media locais.

"Mil anos de saudade e tristeza pela morte do maior colombiano de todos os tempos! Solidariedade e condolências à família", escreveu Juan Manuel Santos, Presidente da Colômbia, na sua conta no Twitter.

No dia 15 de abril, a mulher e filhos de Gabriel García Márquez emitiram um comunicado em que reconheciam que o estado de saúde do escritor é "muito frágil" e sofre "risco de complicações".

"A sua condição é estável, mas é muito frágil e corre risco de complicações de acordo com a idade (87 anos)", lia-se no comunicado assinado por Mercedes Barcha e pelos filhos.

Gabriel Garcia Márquez regressou no início do mês a casa, na cidade do México, depois de uma hospitalização que durou uma semana, em resultado de uma infeção pulmonar, mas permanece em situação "delicada", disse fonte hospitalar.

Entre as suas obras mais famosas, "Cem Anos de Solidão" vendeu milhões de cópias e está traduzida em 35 línguas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.