Livro infantil "A ilha" distinguido em Bolonha

O livro infantil "A ilha", de João Gomes de Abreu e Yara Kono, recebeu uma menção honrosa da Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, que decorrerá este mês em Itália, anunciou hoje a organização.

O livro, publicado em 2012 pela editora Planeta Tangerina, recebe a distinção na categoria "Primeira Obra", distinguindo a estreia de João Gomes de Abreu, na literatura para a infância.

Em "A ilha", o autor conta que um dia os habitantes de uma ilha decidiram construir uma ponte que os ligasse ao continente, nem que para isso fosse preciso fazer loucuras.

"É um livro que fala sobre os dias que vivemos. Sobre identidades, sonhos e expectativas. Sobre empreitadas e desenvolvimento e, talvez (só talvez) sobre Portugal e a Europa, as metas que nos movem, aquilo que queremos para nós", refere a editora na apresentação do livro.

A obra é ilustrada por Yara Kono, Prémio Nacional de Ilustração 2010, autora do trabalho visual de livros como "Papão no desvão", "A manta, uma história aos quadradinhos", "Ovelhinha dá-me lã" e "Em cima daquela serra", com texto do brasileiro Eucanaã Ferraz, que sai este mês no Brasil.

Anualmente, a Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha - a mais importante do género a nível internacional - distingue os melhores livros editados em todo o mundo ao longo do ano, em diferentes categorias.

Na justificação desta menção honrosa para "A ilha", o júri elogia a escolha temática da ilha - lugar de surpresas, tesouros, seres escondidos e piratas - e uma ilustração marcada por cores límpidas e geometrias sóbrias.

Em Bolonha, o prémio de "Primeira obra" foi atribuído a "Alphabet", de Paul Thurlby, enquanto o prémio "New Horizons" foi atribuído a "Diccionario para armar" ("Dicionário para montar"), com vários ilustradores e escritores mexicanos.

O prémio de melhor ficção foi para "Eyes", de Iwona Chmielewska, e o de "não ficção", para "Dictionnaire fou du corps", de Katy Couprie.

A 50.ª edição da Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha vai decorrer de 25 a 28 de março.

Em 2012, Portugal foi o país convidado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?