Lídia Jorge é finalista de prémio literário brasileiro

O livro "A noite das mulheres cantoras", da escritora Lídia Jorge, é finalista do Prémio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura, que distingue o melhor romance de literatura portuguesa publicado recentemente no Brasil.

O galardão tem um valor pecuniário de 49.000 euros e os dez finalistas foram revelados na terça-feira em Porto Alegre, Brasil.

Editado em 2011, "A noite das mulheres cantoras" narra a história de um "grupo de cinco raparigas que têm uma ambição que é normal, mas que se torna desmedida em relação àquilo que elas podem realizar", disse na altura a escritora em entrevista à agência Lusa. "O livro tece-se em torno dessa relação de poder que se estabelece no interior do grupo e da sua relação com a sociedade que a envolve", acrescentou.

"É um romance, de certa forma, de geração -- definiu Lídia Jorge -, é um livro de instrução em torno da construção de figuras muito jovens que aprendem a viver e se tornam adultas sob o efeito do impacto dos seus atos em relação a um projeto que as ultrapassa".

O romance também é este ano semifinalista do Prémio Portugal Telecom de Literatura e esteve indicado para o prémio Fernando Namora.

O Prémio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura, ao qual concorreram, nesta edição, 326 obras de língua portuguesa editadas entre junho de 2011 e maio de 2103, foi criado em 1999 pela Prefeitura Municipal de Passo Fundo, Rio Grande do Sul.

O vencedor será anunciado no próximo dia 27, na Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo.

O prémio distinguiu, por exemplo, o escritor moçambicano Mia Couto (em 2007) e os autores brasileiros Chico Buarque e Cristovão Tezza.

Além do romance de Lídia Jorge, são finalistas, entre outros, "Infâmia", de Ana Maria Machado, "Domingos sem Deus", de Luiz Ruffato, e "Barba ensopada em sangue", de Daniel Galera.

Lídia Jorge, eleita em julho uma das "dez grandes vozes da literatura estrangeira" pela revista francesa MagazineLittéraire, tem 67 anos, nasceu em Boliqueime, estudou Filologia Românica, deu aulas em Angola e Moçambique e é autora de mais de dezena de romances.

Da obra literária fazem parte romances como "O dia dos prodígios" e "O vento assobiando nas gruas", contos, teatro e ensaio.

De acordo com a editora Dom Quixote, Lídia Jorge irá editar um novo romance em 2014.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.