APE anuncia os cinco finalistas do Grande Prémio Romance e Novela

Obras de Ana Margarida Carvalho, António Mega Ferreira, Nuno Júdice, Afonso Cruz e Valter Hugo Mãe são os finalistas do Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE).

O júri, presidido por José Correia Tavares, escolheu os romances "Para onde vão os guarda-chuvas", de Afonso Cruz, "Que Importa a Fúria do Mar" de Ana Margarida Carvalho, "Cartas de Casanova - Lisboa 1757", de António Mega Ferreira, "A Implosão", de Nuno Júdice e "A Desumanização", Valter Hugo Mãe.

Além de José Correia Tavares, o júri é constituído pelos catedráticos de literatura Annabela Rita e Cândido Oliveira Martins, o ensaísta José Manuel de Vasconcelos, a Investigadora do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra Teresa Carvalho e o escritor Vergílio Alberto Vieira.

Os cinco finalistas foram escolhidos "por unanimidade", entre os 107 livros publicados em 2013 e admitidos ao concurso, afirma a APE em comunicado.

Fonte da APE disse à Lusa que o número de candidaturas apresentadas foi o segundo mais elevado desde a instituição do galardão há 32 anos. O maior número de candidaturas registou-se em 2008 -- 117 romances publicados em 2007 -, tendo o Grande Prémio sido entregue a Filomena Marona Beja pelo romance "A cova do lagarto".

O vencedor do prémio, copromovido pela Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, com o valor pecuniário de 15 mil euros, será conhecido "no início do próximo mês", adiantou a mesma fonte.

No ano passado a vencedora foi Alexandra Lucas Coelho com o seu romance de estreia, "E a Noite Roda", publicado pela Tinta-da-China.

O primeiro vencedor deste galardão, em 1982, na época com o valor pecuniário de 750.000 escudos, foi José Cardoso Pires, com o romance "Balada da Praia dos Cães", publicado pel'O Jornal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.