António Lobo Antunes recebe Prémio Nonino Internacional

O escritor António Lobo Antunes recebe, no sábado, em Udine, na Itália, o Prémio Nonino Internacional, galardão instituído em 1975 por iniciativa da família Nonino, proprietária de uma antiga e histórica destilaria daquela localidade transalpina.

O novo romance de António Lobo Antunes, "Caminho como uma casa em chamas", será editado pelas Publicações Dom Quixote em outubro, anunciou a editora.

O galardão transalpino visa distinguir "personalidades de renome mundial que, com o seu trabalho, se destacaram nas respetivas áreas, e, na categoria de literatura internacional, foi escolhido o autor de 'Os Cus de Judas'", disse à Lusa fonte da editora do escritor.

Segundo a mesma fonte, será o escritor italiano Claudio Magris, um dos membros do júri, que vai entregar o galardão ao escritor português, de 71 anos.

O júri do prémio foi presidido pelo escritor britânico V.S. Naipaul, nascido em Trinidad e Tobago, distinguido em 2001 com o Prémio Nobel de Literatura, e contou com o cientista português António Damásio, o ensaísta francês Edgar Morin, o historiador francês Emmanuel Le Roy Ladurie e o encenador inglês Peter Brook.

Entre os distinguidos com o Prémio Internacional Nonino contam-se os escritores Jorge Amado, Álvaro Mutis, V.S. Naipul, Amin Maalouf, Chimamanda Ngozi Adichie, Mo Yan, John Banville, William Trevor, Javier Marias, Siegrief Lenz, Adonis e o antropólogo e ensaísta francês Claude Lévi-Srauss.

Lobo Antunes recebe a distinção, pouco depois de ter sido publicado em Itália o seu romance "Arquipélago da Insónia", pela editora Feltrinelli, que, na edição italiana, tem como título "Arcipelago dell'Insonnia". A obra saiu em 2009 em Portugal, pelas Publicações D. Quixote.

O escritor português, autor de mais de cerca de 50 títulos, foi já distinguido, entre outros, com os prémios France Culture de Literatura Estrangeira (1996), Médicis Para o Melhor Livro Estrangeiro (1997), Literatura Europeia do Estado Austríaco (2000), Rosalía de Castro (2001), Internacional da União Latina (2003), Ovídio (2003), Jerusalém (2004), Juan Donoso (2006), Camões (2007), Terence Moix (2008), Juan Rulfo (2008) e da Extremadura Para a Criação (2009).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.