Eduardo Lourenço recebeu Prémio Pessoa 2011

Ensaísta recebeu hoje o Prémio Pessoa 2011 na Culturgest, em Lisboa, numa cerimónia que assinalou os 25 anos do galardão

"Quero lembrar aqui a dívida que tenho para com aqueles que estão na origem da iluminação da descoberta da galáxia de extensão infinita de Fernando Pessoa", foi com estas palavras que o ensaísta Eduardo Lourenço começou hoje o seu discurso na cerimónia de entrega do Prémio Pessoa 2011, com o qual foi distinguido na Culturgest, em Lisboa.

Presentes estiveram o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves.

Antes de ler o texto 'Pessoa ou a porta aberta', o ensaísta recordou a antologia do poeta e crítico Adolfo Casais Monteiro, "um pouco esquecido", que leu "com paixão, que só aumentou com o tempo". Segundo Eduardo Lourenço, "foi Casais Monteiro quem mais contribuiu" para a criação do mito Fernando Pessoa.

Eduardo Lourenço recordou ainda o amigo que foi Antonio Tabucchi, "um grande pessoano", a quem dedicou o texto sobre Fernando Pessoa, sem esquecer ainda Agustina Bessa-Luís, "que jaz no seu leito de dor sem memória".

Na cerimónia o ensaísta comparou a a obra poética de Pessoa à de Jorge Luís Borges.

O ensaísta referiu-se ainda aos heterónimos de Pessoa como "celestes e imortais criaturas que não são mais do que sonhos diversos, maneiras diferentes de é possível encontrar um sentido para a nossa existência".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG