Cyril Pedrosa regressa a Portugal para participar no Amadora BD

Vem a Portugal lançar a edição nacional do álbum Portugal e participar no Amadora BD. E foi precisamente da visita a um festival de banda desenhada (BD) português em 2006 que este álbum nasceu.

Vem a Portugal lançar a edição nacional do álbum Portugal e participar no Amadora BD. E foi precisamente da visita a um festival de banda desenhada (BD) português em 2006 que este álbum nasceu.

Sim, ao Festival de BD da Sobreda, que é um festival pequenino, mas que representou um momento muito bonito para mim. E foi a primeira vez que voltei a Portugal em muito tempo. Acho que há uns 25 anos que não visitava Portugal.

O que o levou a fazer este álbum? O que sentiu quando regressou a Portugal, após tanto tempo?

Senti exatamente o mesmo que a personagem do álbum. Ou seja, o sentimento de reencontrar algo extremamente familiar, como se eu já conhecesse todas as pessoas que encontrei, como se reencontrasse a música da língua portuguesa, que não ouvia há muito tempo, e desse conta de como gostava dela e ela me tocava. Foi como voltar a ouvir uma canção da infância de que gostava muito e que estivesse esquecida.

Leia mais pormenores no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.