Casa Fernando Pessoa encheu para ouvir recital

A Casa Fernando Pessoa (CFP), em Lisboa, foi pequena para acolher as muitas dezenas de pessoas que hoje quiseram assistir ao recital da cantora brasileira Maria Bethânia.

Com meia hora de atraso, a sessão começou com a directora da CFP, Inês Pedrosa, a pedir desculpas pelas 'difíceis condições' e apelando à compreensão das pessoas.

'Isto é uma casa museu, não é um auditório, ou um coliseu', disse Inês Pedrosa, que antes tinha já pedido para 'quem não fosse da comitiva da Bethânia' se levantar dos lugares previamente reservados.

Levantados uns, sentados outros - Inês Pedrosa enunciou cada um dos nomes da 'comitiva' -, Maria Bethânia entrou.

Abriu o recital com 'Santa Bárbara' e entre palavras suas e de poetas de língua portuguesa, com um grande elogio aos poetas populares, foi dizendo Fernando Pessoa e outros poetas de Portugal, Brasil e dos países lusófonos de África.

Apresentando-se como 'cantora popular', Maria Bethânia afirmou que Fernando Pessoa é o poeta da sua vida.

Pessoa 'é a minha tradução mais fiel', afirmou, acrescentando em seguida: 'Suporta minha respiração, minha cadência e o ritmo desassossegado do meu coração.'

Fernando Pessoa é 'berço de cada trabalho e fonte da minha sede', disse Bethânia, que homenageou o seu professor Nestor Oliveira, na Bahia, que a ensinou, assim como a seu irmão Caetano Veloso, a ouvir poesia.

A este propósito, a cantora afirmou: 'Mostra bem que é possível uma boa e devida educação nas escolas públicas brasileiras.'

Cantando e dizendo poemas, Maria Bethânia foi atentamente ouvida pelas centenas de pessoas que estavam na sala onde apresentava o recital, em duas outras salas da CFP, através de um ecrã, e ainda nas escadas da casa e no jardim, onde foram colocadas, 'à última hora, umas colunas para se ouvir', disse à Lusa uma funcionária.

Maria Bethânia afirmou a sua satisfação por estar na CFP e o agradecimento por ter recebido, a 08 de Março último, a Ordem do Desassossego, uma condecoração criada por esta instituição camarária.

Inês Pedrosa justificou a distinção pelo empenho da cantora na divulgação de Pessoa. Bethânia recordou que 'são 39 anos a cantar' o poeta.

O recital de cerca de uma hora que apresentou hoje na CFP foi apresentado pela primeira vez no Palácio do Itamaraty, em Brasília, sede do ministério das Relações Exteriores brasileiro, numa cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Bethânia tem apresentado este recital em vários outros locais, universidades, escolas e até na Casa do Saber, no Rio de Janeiro. Apresentá-lo na CFP foi 'uma alegria sem par', garantiu.

Inês Pedrosa agradeceu a 'generosidade' da cantora, que, desta forma, quis retribuir o facto de ter sido distinguida com a Ordem do Desassossego.

A cantora reconheceu que dizer poesia, hoje em dia, 'neste mundo de corre-corre', é 'um desafio', mas também 'uma ideia que comove e atrai'.

Veja aqui o site da Casa Fernando Pessoa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG