José Pedro Croft representa Portugal na Bienal de Arte de Veneza

O artista plástico português tem obras expostas em países como Portugal, Espanha, Brasil ou Áustria.

O artista plástico José Pedro Croft vai representar Portugal na Exposição Internacional da Bienal de Arte de Veneza de 2017, anunciou hoje a Direção-Geral das Artes (DGArtes), no Porto.

Em declarações aos jornalistas no Porto, o diretor-geral das Artes, Carlos Moura Carvalho, revelou ainda que o comissário da representação portuguesa será o historiador de arte e curador João Pinharanda.

José Pedro Croft é natural do Porto, onde nasceu no ano de 1957. Atualmente vive e trabalha em Lisboa onde, entre 1976 e 1981, frequentou o curso de Pintura na Escola Superior de Belas-Artes. A expor individualmente desde 1981, o artista plástico já teve uma grande exposição retrospetiva do seu trabalho no Centro Cultural de Belém em 2002, para além estar representado em exposições da Fundação Serralves ou do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian. No estrangeiro, as obras de José Pedro Croft podem ser encontradas no Banco Central Europeu, em Frankfurt; no Museu de Zamora em Espanha ou até no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

O projeto para a Bienal será apresentado na ilha de Giudecca, em Veneza.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.