José Pedro Croft 'planta' seis esculturas monumentais em Veneza

"Medida Incerta" é o título do trabalho que o artista plástico leva à 57ª edição da Bienal de Veneza, a partir de 10 de maio

Seis esculturas monumentais de José Pedro Croft vão ser instaladas nos jardins da Villa Hériot. O projeto curatorial, feito de estruturas em aço que suportam janelas de grandes dimensões -- transparentes, translúcidas e espelhadas. Os materiais de que são feitas espalham ou enquadram a realidade criando leituras para os espectadores.

O processo de trabalho de José Pedro Croft, intitulado Medida Incerta, documentado ao longo do ano, também poderá ser visto no interior da Villa Hériot, um edifício de 1929, está situado na ilha operária de Giudecca, e é composto por duas casas principais, rodeadas de jardim, voltadas para as lagoas, de acordo com um comunicado do Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais às redações.

O projeto, com curadoria de João Pinharanda, "é um jogo entre a objetividade do espaço e a sua ilusão, é um desafio à estabilidade e ao equilíbrio", segundo o mesmo comunicado. As esculturas têm "aproximadamente oito metros de altura e três de largura, em cada moldura."

A ilha da Giudecca é a mesmo onde Siza Vieira, representante de Portugal na Bienal de Arquitetura em 2016, mostrou o projeto Vizinhos: Onde Álvaro encontra Aldo (Neighbourdhood: Where Alvaro meets Aldo), a partir do edifício construído neste bairro operário ao lado de outro, assinado pelo arquiteto italiano Aldo Rossi, e estimulando o recomeço das obras inacabadas neste complexo de habitações sociais no Campo di Marte.

José Pedro Croft intervirá também nesta zona, de forma perene, "com uma obra desenhada para o entorno urbano concebido pelo arquiteto, para consagrar este complexo de habitações sociais na Giudecca."

José Pedro Croft junta-se a Joana Vasconcelos, Francisco Tropa, Ãngela Ferreira, Noronha da Costa, Julião Sarmento e João Louro, entre outros.

A 57ª Exposição Internacional de Arte - La Biennale di Venezia acontece entre 13 de maio e 26 de novembro. O título da exposição, escolhido pela curadora geral, Christine Macel, é "Viva Arte Viva".

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.