João Soares foi ver Depardieu fazer de Estaline no Bussaco

O ministro da Cultura considerou hoje "notável" e "admirável" o trabalho que o produtor Paulo Branco tem desenvolvido na divulgação de Portugal como cenário para a gravação de películas de cinema com elencos internacionais.

"Quero expressar a satisfação com que vemos a realização de filmes de grandes realizadores internacionais no nosso país", disse João Soares, no Bussaco, à margem de uma visita às filmagens de Et derrière moi une cage vide, o novo filme da actriz e realizadora Fanny Ardant, protagonizado pelo ator francês Gerard Dépardieu, e produzido por Paulo Branco.

O ministro disse que Paulo Branco "tem sido um dos principais impulsionadores desse trabalho notável" que passa pela escolha de Portugal como cenário de filmes de grandes realizadores", louvando ainda o seu papel como "divulgador de cinema independente".

O filme Et derrière moi une cage vide está em gravação desde 5 de janeiro nas matas do Bussaco e no Palace Hotel e resulta da adaptação para o cinema do romance escrito em 2013 pelo francês Daniel Baltassat: O divã de Estaline.

Com um orçamento de um milhão de euros e apoios de institutos franceses e da RTP, o filme será ainda candidatado a financiamento nacional, devendo ser apresentado no Festival de Cannes.

Paulo Branco destaca a realização de Fanny Ardant, "uma das maiores figuras do cinema francês", e o trabalho de Gerard Depardieu, que aceitou trabalhar graciosamente, baixando assim os custos de produção.

Em curta conversa com o ministro João Soares no átrio do histórico Palace do Bussaco, por onde horas antes tinha passeado descalço e despenteado, Depardieu explicou o seu fascínio pela figura de Estaline e, sem ter sido questionado sobre essa matéria, elogiou largamente o presidente russo Vladimir Putin, que em 2013 lhe concedeu a nacionalidade russa.

"Algumas pessoas erradamente julgam que ele é um ditador, mas deviam saber que tem o apoio de mais de 80 por cento dos jovens na Rússia", disse o ator.

O ministro João Soares visitou o local das filmagens acompanhado pelo presidente da Câmara da Mealhada, Rui Marqueiro, de Paulo Branco e da realizadora Fanny Ardant, que descreveu como sendo "uma das figuras mais marcantes do cinema europeu".

Antes de abandonar a Mealhada, João Soares tinha prevista uma visita à casa onde o líder histórico do PCP, Álvaro Cunhal, foi preso pela PIDE.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.