João Botelho recorda lições de vida de Oliveira

O realizador de cinema João Botelho disse hoje, no Porto, que aprendeu com Manoel de Oliveira que "o cinema é muito mais importante do que os filmes".

"Ensinou-me que o cinema é um ponto de vista, é um modo de filmar, não é o que se passa, nem quando se passa, não é a história", disse João Botelho sobre Manoel de Oliveira, que morreu na quinta-feira, no Porto, aos 106 anos.

O cineasta lembrou "uma frase lapidar" de Manoel de Oliveira que disse ter-lhe servido para a vida: "não há dinheiro para a carruagem, filma a roda, mas filma bem a roda".

"Prostitui-te para arranjar dinheiro para o filme, prostitui-te quando ficar pronto para o mostrar, nunca quando filmas", acrescentou.

João Botelho considerou, ainda, que Manoel de Oliveira "levou o cinema com ele para o céu, porque hoje os filmes estão todos no inferno dos centros comerciais".

Sobre a personalidade de Manoel de Oliveira, Botelho disse que era "uma pessoa maravilhosa e extremamente didática, que via as primeiras obras de toda a gente".

"Estava sempre interessado no cinema. Nunca me falou de filmes, falou sempre de cinema", acrescentou.

João Botelho falava aos jornalistas no exterior da igreja de Cristo Rei, no Porto, onde ao longo do dia têm passado várias personalidades do mundo da cultura à política, amigos e familiares para prestar uma última homenagem a Manoel de Oliveira, cujo funeral está marcado para as 15:00, no cemitério de Agramonte.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG