Jazz no meio das escadas regressa a Coimbra

Programação do Quebrajazz.Fest aposta na juventude e no valor dos músicos portugueses.

A sexta edição do Quebrajazz.Fest arranca na sexta-feira com a formação 5TETO e termina no dia 2 de setembro com um conjunto criado para a ocasião, o Quebra Ensamble. Pela qualidade da programação e pela originalidade do local em que se desenrola, o festival ultrapassa cada vez mais os limites de Coimbra.

É nas Escadas do Quebra Costas, em plena zona histórica da cidade, que público e músicos se encontram às sextas e sábados a partir deste fim de semana. "O que ali existe é a magia do espaço. Aquela magia em que, de um momento para o outro, de repente explode. Todos os grupos surpreendem o próprio público que os conhece", explica Paulo Bandeira, programador do evento, que conta a experiência que viveu com o pianista Mário Laginha. "Já conheço o trio dele há anos. Na primeira vez que foi tocar, olhou para as escadas, olhou para as esplanadas, vira-se para o Bernardo Moreira e pergunta: "Onde é que a gente vai tocar?" Respondi e ele, muito preocupado, olhou para o Bernardo, que lhe disse "Espera para ver"." A frase do contrabaixista revelou-se tão acertada quanto concisa: "Quando saímos do jantar, o Mário não queria acreditar, queríamos passar pela multidão e não conseguíamos. Ele estava maluco. Nunca vi o Mário tocar com tanta energia e tão bem-disposto." De tal forma que Laginha voltou nos dois anos seguintes.

Neste ano a programação aponta para a juventude. "Há uma grande aposta nos jovens, cada vez temos mais jovens músicos fabulosos", comenta Paulo Bandeira. O programador que, como baterista, vai marcar presença em quatro formações diversas (5TETO, Zzaj Trio, CBF Trio e Quebra Ensamble) - em parte, explica, por contenção de custos.

A sexta edição do Quebrajazz.Fest, além da aposta nos valores emergentes, é também o da afirmação dos músicos portugueses, "embora haja músicos portugueses como líderes de grupos com músicos estrangeiros", ressalva. "Temos nível e qualidade mundial em todos os aspetos. Não vamos comprometer a qualidade com esta programação."

Os concertos, de entrada livre, iniciam às 22.30 e têm o seguinte alinhamento: 5TETO (sexta e sábado); Carlos Barretto com o trio Lokomotiv (dia 30) e com o Zzaj Trio (1 de julho); Gonçalo Leonardo Quarteto (7 e 8 de julho); Marta Hugon e o espetáculo Bittersweet (14 e 15 de julho); CBF Trio (21 e 22 de julho); Quinteto Luís Cunha (28 e 29 de julho); Maria João/OGRE (4 e 5 de agosto); Amplectors (11 e 12 de agosto); Círculo (18 e 19 de agosto); Trio João Barradas (25 e 26 de agosto); Quebra Ensamble (1 e 2 de setembro).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.