Intimismo japonês arrebata Palma de Ouro em Cannes

Com o filme Une Affaire de Famille, o japonês Kore-eda arrebatou o prémio principal. Godard recebeu uma Palma de Ouro Especial

Pela quinta vez, a Palma de Ouro do Festival de Cannes foi atribuída a um filme japonês: Une Affaire de Famille, de Hirokazu Kore-eda, arrebatou o prémio máximo de um certame que, para a história, fica como um dos mais politizados do século XXI. A saga de uma família que sobrevive através de pequenos roubos, especialmente em supermercados (facto a que alude o título inglês, Shoplifters), distingue-se por uma combinação peculiar: um vibrante testemunho social que é também um exercício tocante de intimismo.

Dir-se-ia uma forma feliz de celebrar a herança cultural e política dos muito citados acontecimentos de há 50 anos quando, no turbilhão do Maio de 68, o festival foi transformado em palco de muitas formas de protesto. Jean-Luc Godard, François Truffaut e Roman Polanski foram alguns dos rostos emblemáticos desse festival que, afinal, não produziu palmarés... porque não chegou ao fim.

Ironicamente ou não, nesta 71.ª edição do certame, Godard acabou por obter um reconhecimento de exceção. Isto porque, como explicou a presidente do júri, Cate Blanchett, o coletivo que comandou solicitou autorização a Pierre Lescure e Thierry Frémaux (presidente e delegado-geral, respetivamente) para atribuir uma Palma de Ouro Especial ao cineasta que regressou à secção competitiva com Le Livre d"Image: Godard foi assim consagrado pela sua capacidade de "desafiar os limites" do trabalho cinematográfico, contribuindo de forma decisiva para "definir e redefinir o que é o cinema".

Foi também um desafio às normas destas cerimónias que teve lugar no luminoso palco do Palácio dos Festivais. Édouard Baer, talvez algo nervoso, mas eficaz (repetindo as funções da abertura), assim o disse, lembrando o renovado poder de "sonho" que o cinema pode conter, abrindo um hiato de celebração e espetáculo para, logo após o fim do festival, "devolver a Croisette ao seu destino balnear". Em termos económicos, isso tem uma expressão contundente: os 12 dias do certame garantem à hotelaria e comércio da Riviera Francesa cerca de 30% das suas receitas anuais.

Da liberdade artística

Em breves palavras de apresentação, Cate Blanchett fez questão de resumir um dos principais vetores simbólicos desta edição. A saber: a defesa da liberdade de expressão, em particular no domínio da criação artística. Lembrou, assim, os nomes dos dois cineastas que não viajaram até Cannes por interdição imposta pelos governos dos respetivos países: o russo Kirill Serebrennikov (Leto) e o iraniano Jafar Panahi (3 Faces). Ao filme de Panahi seria atribuído o prémio de argumento, ex aequo com a italiana Alice Rohrwacher.

Cate Blanchett deixou ainda uma frase capaz de resumir um desejo de paridade entre os géneros que se refletiu, desde logo, na constituição do júri (cinco mulheres e quatro homens). Disse a presidente: "As mulheres não são uma minoria no mundo." O que era também uma maneira de apelar à afirmação de um discurso no feminino capaz de denunciar todos os abusos e discriminações. Assim o fez a italiana Asia Argento, ao apresentar o prémio de interpretação feminina (atribuído a Samal Yeslyamova, a espantosa protagonista de Ayka, de Sergey Dvortsevoy, drama pungente de uma mulher que, depois de dar à luz, na sequência de uma violação, tenta sobreviver em impiedosos cenários de Moscovo). Lembrando a sua presença em Cannes, em 1997, contava 21 anos, Argento disse: "Fui violada aqui por Harvey Weinstein." E apontando para a assistência acrescentou que há ainda cúmplices "sentados entre vocês", concluindo: "Sabemos quem são, não vamos permitir que vivam na impunidade."

A tristeza do mundo

Entre os grandes títulos desta edição, o admirável Le Poirier Sauvage, do turco Nuri Bilge Ceylan, ficou fora do palmarés. Mas não há dúvida de que o júri conseguiu um equilíbrio de escolhas capaz de valorizar a pluralidade temática e estética dos 21 títulos a concurso. Daí a importante distinção para Spike Lee, Grande Prémio (segundo na hierarquia do palmarés) com BlacKkKlansman, retrato histórico do racismo capaz de ligar as memórias de finais da década de 1970 com os factos mais perturbantes da América de Donald Trump. Daí também a distinção para Capharnaüm, de Nadine Labaki, sobre a errância trágica de uma criança nas ruas implacáveis de Beirute, por certo um dos títulos que mais dividiram os jornalistas e, por isso mesmo, um acontecimento incontornável.

Algo de semelhante poderá dizer-se sobre os prémios para Pawel Pawlikowski (realização) por Cold War, uma evocação das raízes do rock polaco, e Marcello Fonte (interpretação masculina) em Dogman, de Matteo Garrone, desencantada visão de uma paisagem urbana ultradegradada. São filmes que, entre realismo e simbolismo, espelham uma exigência humanista que uniu os participantes deste festival face às injustiças do nosso presente. Recebendo a Palma para Godard, a produtora iraniana Mitra Farhani lembrou uma frase exemplar para tão cruel conjuntura: "Nunca nos sentimos suficientemente tristes para que o mundo seja melhor."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG