Zhang Yimou reavalia os traumas da Revolução Cultural chinesa

Com Regresso a Casa, o realizador Zhang Yimou filma um momento dramático da história da China através da história de um casal separado pelas convulsões da Revolução Cultural.

O nome de Zhang Yimou continua a ser uma das referências mais fortes de um continente cinematográfico que, afinal, conhecemos de modo muito parcelar. Seja como for, a par de Chen Kaige ou, mais recentemente, Jia Zhan-ke, ele é dos poucos cineastas chineses com presença regular nas nossas salas, distinguindo-se por um olhar romanesco que nunca exclui uma visão crítica da história coletiva - assim volta a acontecer no magnífico Regresso a Casa (em exibição) que integrou a seleção oficial, extracompetição, do Festival de Cannes de 2014.

As convulsões da história da China contaminam todos os níveis expressivos dos filmes de Zhang Yimou, mesmo se tendemos a associá-los, sobretudo, a épocas mais ou menos remotas, transfiguradas através de encenações de exuberante espetacularidade.

Lembremos os casos exemplares de Ju Dou (1990), situado num cenário rural do começo do século XX, ou Herói (2002), um épico cuja ação tem lugar cerca de dois séculos a. C., porventura o seu título mais popular (ambos obtiveram nomeações para o Óscar de melhor filme estrangeiro).

Na trajetória de Zhang Yimou, Regresso a Casa seguiu-se a As Flores da Guerra (2011), uma das produções mais ambiciosas de toda a sua carreira, fabricada com um orçamento de 94 milhões de dólares (cerca de 85 milhões de euros, na atual cotação) que, na altura, correspondia ao filme mais caro de toda a história do cinema chinês.

As Flores da Guerra evocava a situação desesperada da cidade de Nanking, em 1937, sob ocupação japonesa, centrando-se na personagem de um americano que se faz passar por padre para tentar salvar as mulheres refugiadas num convento católico. Com Regresso a Casa, mergulhamos nos cenários dramáticos da Revolução Cultural, nas décadas de 1960/70, não tanto através das grandes movimentações coletivas, mas sim de uma intriga intimista, quase fechada no interior das fronteiras afetivas.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.