Xutos e Stereophonics no Rock in Rio a 19 de Maio

São as novas confirmações para o mesmo dia em que atua Bruce Springsteen

É um trabalho ingrato mas alguém vai ter de o fazer. Tudo o que passar pela Bela Vista antes de Bruce Springsteen vai ser uma espécie de "banda sonora antes do Boss". Factos, apenas isso. E para esse dia 19 de Maio, o primeiro do festival, há mais duas confirmações: os Xutos & Pontapés e os Stereophonics. Antes de todos eles estará em palco "Rock in Rio - O Musical", que é tudo isso que está no título do espetáculo, não há margem para enganos.

Mas nestes parágrafos, prioridade aos primeiros. E esses são sempre os Xutos & Pontapés, a maior máquina rock"n"roll portuguesa, os outros totalistas de todas as edições Rock in Rio Lisboa além de Ivete Sangalo. Fosse este ou outro concerto, não é preciso desculpa nem novo álbum para se chegarem à frente do palco, nada disso. Os Xutos vão fazer o costume, que no caso deles é mais que elogio, é deixar correr o motor eléctrico que anda por aí há quase 40 anos. E nos bastidores há sempre a hipótese de ver o tempo parar quando Zé Pedro se cruzar com Springsteen. Tem de acontecer, tem mesmo.

Antes, os Stereophonics regressam a Portugal, por onde gostam de passar de quando em vez. Nada de novo para gente simpática vinda da Grã-Bretanha, ainda que estes sejam galeses e mais dados às coisas da música que à indevida exposição solar. Nasceram como banda no início dos anos 90, quando a Britpop não deixava mais nada importasse. São óbvios descendentes desse ADN cançonetista de desde que se estrearam nos discos em 97, com "Word Gets Around", já editaram 9 álbuns. O mais recente, "Keep the Village Alive", foi lançado no ano passado.

Como foi anunciado há dias, os bilhetes para a edição deste ano do Rock in Rio Lisboa estão à venda a partir do próximo dia 11. São entradas diárias e custam 69 euros. Até lá há bilhetes à venda nas lojas Continente, com 25% de desconto em cartão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.