Xutos & Pontapés e Paulo de Carvalho juntos nos 40 anos da Festa do Avante!

Este ano o lema é "Mais espaço, Mais festa" e a edição é marcada pelo aumento do recinto em seis hectares

A 40.ª Festa do Avante!, organizada pelo PCP, decorre de 2 a 4 de setembro, na Amora, Seixal, com mais seis hectares de espaço onde, entre muitos concertos, Xutos & Pontapés e Paulo de Carvalho se juntam em palco.

Sob o lema "Mais Espaço, Mais Festa", o PCP volta a organizar o evento que reúne, durante três dias, política, cultura, desporto e solidariedade, sendo esta edição marcada pelo aumento do recinto ao terem sido anexados seis hectares da Quinta do Cabo ao tradicional espaço da Quinta da Atalaia, na Amora, concelho do Seixal, distrito de Setúbal.

Em conferência de imprensa no espaço onde já decorrem as montagens das estruturas, Alexandre Araújo, do secretariado do Comité Central do PCP, considerou que "este ano a festa fica indelevelmente marcada por essa decisão de alargar o seu espaço, com a aquisição da Quinta do Cabo".

"São mais seis hectares de Festa do Avante!, não apenas para termos mais espaço, mas para termos mais festa, melhores condições para receber os muitos milhares de visitantes, para garantir novos polos de atração", explicou.

Rúben de Carvalho, do Comité Central do PCP, destacou a "abrangência do programa" da festa "da juventude, do trabalho, do Portugal de Abril, de solidariedade", com atividades que vão desde promover livros, fazer debates, projetar cinema ou fazer espetáculos musicais, com uma "vastidão de áreas culturais e artísticas, o que é invulgar em qualquer iniciativa deste género".

"À semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, muitos artistas têm preparado presenças especiais e espetáculos especiais para a Festa do Avante!, o que não só enriquece a festa como lhe dá um cunho de originalidade na sua programação, revelando o carinho e o interesse que a festa desperta não só junto do público, como junto dos artistas", explicou Rúben de Carvalho.

Exemplo disto mesmo foi o convite que a banda Xutos e Pontapés fizeram ao cantor Paulo de Carvalho para se juntarem em palco, concerto que está marcado para o último dia, domingo, 04 de setembro, às 21:30, no mesmo dia em que atuam Sérgio Godinho & Jorge Palma e decorre o comício com o discurso do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

"É uma maneira de dar uma prenda à festa, matar um velho desejo de fã, que é tocar com o Paulo de Carvalho e depois ir buscar uma música emblemática também para o 25 de Abril. Não é uma música qualquer. Isto tudo começa por uma vontade de tocar com o Paulo de Carvalho o 'E Depois do Adeus'", explicou Tim, vocalista da banda, aos jornalistas.

Paulo de Carvalho foi perentório: "a festa, para mim e para os Xutos, já é uma festa".

"Acho que vai ser muito bom estar aqui, nos 40 anos desta festa que eu conheço desde o princípio, desde a FIL, em 1975, onde atuei", recordou.

Para Paulo de Carvalho, "tudo é política, pode é não ser política partidária, mas política tudo é".

"Eu penso que o PCP tem assumido responsabilidades no decorrer dos anos. Às vezes até acusado de fazer sempre a mesma coisa. Eu não me importo, há alguma coerência nisso", defendeu.

Na música, destaque ainda para a abertura da festa, na sexta-feira, dia 02 de setembro, com um "Concerto Sinfónico para um Glorioso Aniversário" da Orquestra Sinfonietta de Lisboa, para além das atuações, ao longo de todo o evento, de Ana Moura, Marta Ren, Katia Guerreiro, Diabo na Cruz, Ferro Gaita, Criolo, Jafumega ou os mexicanos Los de Abajo.

Durante a Festa do Avante! há ainda espaço para o desporto -- com uma corrida de 10,2 quilómetros ou uma caminhada de seis quilómetros no domingo -- teatro, artes plásticas, atividades para crianças, festa do livro e do disco e gastronomia e artesanato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.