Xutos & Pontapés cantam "Alepo"

Nova música do grupo é um grito de preocupação e protesto contra o que se passa na cidade de Aleppo, na Síria.

O grupo Xutos & Pontapés apresentaram hoje uma nova canção, inspirada nas frases publicadas no Twitter por "Bana Alabebe", a rapariga que foi descrevendo nesta rede social o que se passava na cidade de Aleppo.

"A letra foi composta com as frases do Twitter que a Bana foi lá pondo e surge encastrada num tema que andávamos a desenvolver, com um refrão que me invadiu os ouvidos como um grito", explica Tim no press release da editora Sony Music. E acrescenta que o grupo está a trabalhar em temas novos e não exclui a hipótese de editar um novo álbum, mas para já aproveitou o dia em que celebra os seus 38 anos para mostrar Alepo.

O videoclipe deste tema foi realizado por Rui Lourenço e pela equipa da Popular Jump:

Esta é a letra:

"Aleppo
sei o que fazer,
sei o que dizer,
não tenho casa
ferido e com medo
não durmo há algum tempo
debaixo de fogo
sem abrigo
cada minuto parece a morte

- quero viver!

a neve cai
estou doente
não tenho água limpa
não tenho remédios
vai piorando
a cada hora que passa
vai matando
mais depressa do que uma do que uma bomba
Aleppo, Aleppo
cada minuto parece a morte

- quero viver, não quero morrer!

procuro abrigo entre os escombros
sombras trazem
feridos em ombros
e de repente
estala uma AK
vomita cápsulas enquanto mata
- quero viver, não quero morrer!

Aleppo, Aleppo
quando é que acaba a matança
Aleppo, Aleppo
decapitaram até esperança
Aleppo, Aleppo
diz-me tu se fores capaz
Aleppo, Aleppo
como se canta pela paz"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".