Weinstein entregou-se à polícia mas diz-se inocente

Após denúncias de mais de 74 mulheres, ontem, o produtor Harvey Weinstein entregou-se voluntariamente à polícia. Enfrenta acusações de violação e assédio sexual mas pagou a fiança e foi libertado com uma pulseira eletrónica.

Harvey Weinstein chegou à esquadra da polícia do primeiro distrito de Tribeca, em Nova Iorque, por volta das 7.30 de sexta-feira, levando três livros grossos debaixo do braço, entre os quais uma biografia do realizador Elia Kazan. Levantou os olhos dos chão quando os jornalistas o chamaram pelo nome próprio - "Harvey!" - mas não disse uma palavra. Lá dentro deixou a sua impressão digital e tirou a fotografia da praxe.

Sem sorrir. Sem a arrogância que lhe conhecíamos quando era fotografado nas passadeiras vermelhas de Hollywood e dos vários festivais de cinema onde desfilou, sempre ladeado por belas mulheres, ostentando o título do "maior produtor independente" da América, o fundador da Miramax, o visionário que, entre incontáveis títulos no cinema e na televisão, permitiu que víssemos obras como Sexo Mentiras e Vídeo (1989), de Steven Soderbergh, e Pulp Fiction (1994), de Quentin Tarantino. Ou mesmo o mais romântico A Paixão de Shakespeare, de John Madden, filme com que o produtor ganhou o seu único Óscar em 1998.

E agora ali estava, com 66 anos, de mãos algemadas atrás das costas, com dois agentes da polícia a agarrar-lhe os braços, a caminho do tribunal. Às 9.24 entrou na sala de audiências do juiz Kevin McGrath onde a procuradora Joan Illuzi enunciou a acusação: violação de primeiro e terceiro grau num caso e abuso sexual noutro. E explicou que o produtor "usou a sua posição, dinheiro e poder para seduzir mulheres, colocando-as em situações em que poderia violá-las sexualmente."

Weinstein permaneceu calado. O seu advogado, Benjamin Brafman, negou todas as acusações de sexo não consentido. E tinha previamente estabelecido um acordo com o preço da liberdade do seu cliente: Weinstein pagou uma fiança de 1 milhão de dólares (cerca de 853 mil euros) e concordou em usar uma pulseira eletrónica, entregou o passaporte e está proibido de sair dos estados de Nova Iorque e Connecticut. Weinstein saiu do tribunal pela porta das traseiras ainda não eram 10 da manhã. E tem até quarta-feira para decidir se pretende ou não testemunhar perante o Grande Júri que continua a investigar o caso.

Este é o primeiro caso judicial contra Harvey Weinstein, sete meses depois das várias denúncias de alegados abusos sexuais e má conduta por mulheres de Hollywood e que desencadearam o movimento internacional "#MeToo" ("eu também" - numa referência ao facto de muitas mulheres serem alvo de assédio, no trabalho e não só). São mais de 75 as mulheres que acusaram publicamente o produtor de assédio e abuso sexual, no entanto só duas apresentaram queixas. Uma delas foi Lucia Evans: o caso remonta a 2004 quando a atriz, uma estreante na altura, diz que foi obrigada pelo produtor a fazer-lhe sexo oral. Não é conhecido o nome da mulher que apresentou queixa por violação.

A polícia de Nova Iorque emitiu um comunicado em que agradeceu "a estas bravas sobreviventes por terem tido coragem de avançar e procurar justiça." Os casos conhecidos remontam até à década de 1980 e algumas das acusações podem já ter prescrito. No entanto, o juiz poderá chamar várias mulheres a testemunharem de forma a estabelecer um padrão de comportamento, como aconteceu no recente julgamento de Bill Cosby.

Além dos crimes sexuais, que também estão a ser investigados em Los Angeles e no Reino Unido, a polícia está ainda a avaliar se houve crimes financeiros que têm a ver com "a forma como pagou a mulheres pelo seu silêncio" ou se "usou empregados da sua produtora" para chegar às mulheres.

Mas o advogado está confiante de que, quando interrogadas, nenhum júri irá acreditar nestas mulheres. Brafman acha que há uma diferença entre má conduta e conduta criminal: "O sr. Weinstein não inventou o casting couch em Hollywood", disse, referindo-se ao facto de atrizes serem escolhidas para papéis em troca de favores sexuais (casting de sofá). Mas isso servirá como desculpa? Seja como for, parece que nos próximos tempos Harvey Weinstein não irá convidar ninguém para o seu sofá.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...