Violino Stradivarius roubado em 1980 regressa aos palcos

O violino pertencia ao aclamado músico Roman Totenberg e foi roubado do seu camarim após um concerto

Um violino de Stradivarius regressou aos palcos décadas após ter sido roubado. O instrumento raro e valioso foi roubado em 1980 e esteve desaparecido até 2015. Esta semana, o violino de Stradivarius foi a estrela de um espetáculo em Nova Iorque, Estados Unidos, nas mãos da aluna do antigo dono.

O violino pertencia ao aclamado músico polaco Roman Totenberg e foi roubado do seu camarim em 1980, após um concerto em Massachussetts. Totenberg, um mestre do violino, segundo o Washingont Post, morreu com 101 anos, em 2012, mas ainda assim não conseguiu testemunhar o momento em que o seu instrumento regressaria a casa.

A peça foi recuperada em 2015 e apenas nessa altura foi possível desvendar o mistério em volta do desaparecimento. Nessa altura, uma mulher deu o instrumento à família de Totenberg dizendo que o tinha herdado do marido. Ela era casada com Philip Johnson, um antigo aluno do músico polaco que era suspeito de ter roubado o violino mas nunca foi formalmente acusado.

Em Nova Iorque, o violino foi tocado por Mira Wang, uma mulher chinesa que emigrou para os Estados Unidos em 1980 para se tornar aluna do mestre Totenberg. "Significa muito para mim poder usar este violino", disse Wang, segundo a BBC. "Poder ser a primeira a trazê-lo a público".

Jill, Amy e Nina, as três filhas de Totenberg, assistiram ao primeiro concerto e disseram estar muito felizes por ter sido Wang a usar o violino do pai. "Nós consideramos a Mira a nossa quarta irmã", contou Amy. "Ela era a protegida do meu pai. Ele teve com certeza muitos alunos queridos mas ela era muito próxima de todos nós e dele".

Este raro violino foi construído em 1734. É um dos 500 instrumentos que restam dos mil violinos feitos por Antonio Stradivari antes da sua morte, em 1737.

As irmãs planeiam vender o instrumento mas querem certificar-se de que o comprador é um músico que o vai tocar, e não um colecionador.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".