Violino Stradivarius roubado em 1980 regressa aos palcos

O violino pertencia ao aclamado músico Roman Totenberg e foi roubado do seu camarim após um concerto

Um violino de Stradivarius regressou aos palcos décadas após ter sido roubado. O instrumento raro e valioso foi roubado em 1980 e esteve desaparecido até 2015. Esta semana, o violino de Stradivarius foi a estrela de um espetáculo em Nova Iorque, Estados Unidos, nas mãos da aluna do antigo dono.

O violino pertencia ao aclamado músico polaco Roman Totenberg e foi roubado do seu camarim em 1980, após um concerto em Massachussetts. Totenberg, um mestre do violino, segundo o Washingont Post, morreu com 101 anos, em 2012, mas ainda assim não conseguiu testemunhar o momento em que o seu instrumento regressaria a casa.

A peça foi recuperada em 2015 e apenas nessa altura foi possível desvendar o mistério em volta do desaparecimento. Nessa altura, uma mulher deu o instrumento à família de Totenberg dizendo que o tinha herdado do marido. Ela era casada com Philip Johnson, um antigo aluno do músico polaco que era suspeito de ter roubado o violino mas nunca foi formalmente acusado.

Em Nova Iorque, o violino foi tocado por Mira Wang, uma mulher chinesa que emigrou para os Estados Unidos em 1980 para se tornar aluna do mestre Totenberg. "Significa muito para mim poder usar este violino", disse Wang, segundo a BBC. "Poder ser a primeira a trazê-lo a público".

Jill, Amy e Nina, as três filhas de Totenberg, assistiram ao primeiro concerto e disseram estar muito felizes por ter sido Wang a usar o violino do pai. "Nós consideramos a Mira a nossa quarta irmã", contou Amy. "Ela era a protegida do meu pai. Ele teve com certeza muitos alunos queridos mas ela era muito próxima de todos nós e dele".

Este raro violino foi construído em 1734. É um dos 500 instrumentos que restam dos mil violinos feitos por Antonio Stradivari antes da sua morte, em 1737.

As irmãs planeiam vender o instrumento mas querem certificar-se de que o comprador é um músico que o vai tocar, e não um colecionador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.