Vida de Elton John dá origem a filme

O argumentista de 'Cavalo de Guerra' e 'Billy Elliot' será o responsável pela adaptação da história de vida do "Rocket Man" ao cinema

"Do nascimento à reabilitação", diz Lee Hall em entrevista à BBC Radio 4, comentando sobre o filme que irá retratar a biografia de Elton John. "Tenho estado a trabalhar nisto com o Elton há muito tempo (...) É um caso absolutamente gigante de «technicolor»", admite Hall.

Estará representada a altura onde o cantor admitiu ser "um monstro" entregue ao vício da droga; Tom Hardy, ator britânico que fez parte do elenco de 'A Origem' e 'Locke', fará o papel do cantor mostrando aos espectadores "todos os problemas onde se meteu".

O argumentista declarou durante a entrevista que Sir Elton John lhe deu "incrível rédea solta" no guião, acrescentando "Um dia, ele levou-me a sua casa e abriu um cofre e tinha todos aqueles diários privados que nunca ninguém tinha visto, sobre quando ele esteve em reabilitação; deixou-me lá a ler tudo aquilo".

Os dois conhecem-se desde a colaboração de Elton John com Lee Hall na adaptação do filme 'Billy Elliot' em musical, há quase nove anos.

Dá pelo título de 'Rocket Man' e será gravado ainda este ano, segundo a Focus Features.

Sir Elton John, com os seus 66 anos, será o produtor executivo da longa metragem que Hall refere ser "um projeto realmente fantástico com muita música para ser usada (...) é sobretudo sobre cantar, sobre dançar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.