Viagem literária termina em Viana do Castelo

O projeto Viagem Literária, iniciado há cerca de 18 meses, termina em setembro, em Viana do Castelo, com os escritores Manuel Jorge Marmelo e Richard Zimler.

A "Viagem", que procurou levar os escritores e os livros a todas as capitais de distrito, excepto Lisboa e Porto, e às regiões autónomas, iniciou-se em Bragança, no dia 25 de Abril do ano passado.

A proposta é uma conversa entre dois escritores, moderada pelo jornalista João Paulo Sacadura, com público, que também pode fazer perguntas.

No próximo dia 24 de setembro, pelas 21:30, no Teatro Sá de Miranda, em Viana do Castelo, encerra-se oficialmente a Viagem Literária, um projeto "de descentralização cultural", como disse à Lusa Rui Couceiro, da Porto Editora, que organiza a iniciativa.

À conversa, adiantou à Lusa fonte editorial, virão as "mais recentes obras dos autores, como 'Macaco infinito', de Manuel Jorge Marmelo, e pelos seus percursos biográficos e literários, e terminada a conversa, para a habitual sessão de autógrafos e contacto mais direto entre os escritores e os leitores".

Manuel Jorge Marmelo, de 45 anos, foi jornalista de 1989 a 2012, tendo recebido em 1994 o prémio de jornalismo da Lufthansa e, em 1996, a menção honrosa dos Prémios Gazeta de Jornalismo do Clube de Jornalismo. Literariamente estreou-se com "O homem que julgou morrer de amor" (1996), tendo já publicado "mais de vinte títulos", entre romances, crónicas, livros infantis e contos.

Em 2005 recebeu o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, pela obra "O silêncio de um homem só", e, em 2014, o Prémio Correntes d'Escritas/Casino da Póvoa com "Uma mentira mil vezes repetida". "Somos todos um bocado ciganos" e "O tempo morto é um bom lugar" são outros títulos deste autor portuense.

Richard Zimler nasceu há 60 anos, em Roslyn Heights, nos arredores de Nova Iorque, e também trabalhou, durante oito anos, como jornalista. Com um mestrado em Jornalismo, na Stanford University, fixou-se no Porto em 1990, onde lecionou Jornalismo na Escola Superior de Jornalismo e, posteriormente, na Universidade do Porto.

Desde 1996, publicou dez romances, uma coletânea de contos e dois livros para crianças.

Entre os seus títulos destacam-se "O último cabalista de Lisboa", "Trevas da luz", "Goa ou o guardião da aurora", "Se eu fosse" e "O cão que comia a chuva".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.