Viagem ao Douro imaginado por João Pedro Rodrigues

Fomos com João Pedro Rodrigues ao Douro de O Ornitólogo. Rio secreto para uma apresentação do filme que chega esta quinta-feira aos cinemas.

Voltar aonde se foi feliz a filmar. Quando damos boleia a João Pedro Rodrigues para nos mostrar os décors naturais onde há exatamente um ano filmou, há um efeito de sermos confrontados por um território que o cinema já transformou.

Aqueles cenários naturais de O Ornitólogo são agora uma espécie de assombração de um filme assombrado por Santo António. "Agora que volto aqui sinto que tudo era muito preciso. Lembro-me muito bem onde a câmara estava, é como se tivesse construído uma outra geografia e novos lugares. Não consigo olhar para ali e não pensar que o ator estava precisamente debaixo do arbusto ou mais à direita... Apesar de serem reais, estes lugares são agora automaticamente ficções. É também um pouco como quando recriei Lisboa através da minha espécie de geografia pessoal nos outros filmes", diz o realizador.

E se nesta viagem pelos lugares do filme somos remetidos para a fantasia cinematográfica, intacto está o fascínio que as paisagens provocam. Em outubro, pássaros mais raros já não vemos, não é a altura deles, mas por esta Beira Alta e Trás-os-Montes, seguimos o Douro Internacional e os seus afluentes e sentimos o tal território de perdição que o protagonista do filme sente, um ornitólogo perdido e a contas com peripécias de western (e mais tarde do cinema de terror) que o levam a encontros transcendentais com pássaros, católicas chinesas e golden shower de caretos transmontanos.

Uma beleza portuguesa por onde poucos se aventuram - alguns dos locais de filmagem que visitamos são quase secretos, de difícil acesso e, outros, mais junto ao Douro em Miranda do Douro, só com autorização lá se chega (parque natural). No estrangeiro, nos imensos festivais onde tem passado, a pergunta comum é "que paraíso é esse?". Um Douro mais selvagem, o Douro não vinhateiro que nunca tinha sido levado para a ficção.

Se o território deste Douro se torna fantasia de cinema, há algo bem real no filme: "quando falamos das aves, tudo é real. Do ponto de vista científico, tudo é verdadeiro. Aquelas aves que o ornitólogo vê são as verdadeiras, os sons que ouvimos são das respetivas aves. Os piares das aves nos filmes costumam ser uma aldrabice mas aqui é tudo real".

O regresso à "fantasia" deste Douro raro começa em Almeida, no local Fonte Santa, perto das termas. É lá que o ornitólogo, o herói perdido, consome a sua atração por um pastor de cabras. Uma praia fluvial do rio Côa em que ainda há vestígios da filmagem (troncos falsos). Um local de imensa beleza e onde também se filmaram as sequências com os caretos. O realizador lembra-nos de uma preocupação: "quis que a personagem estivesse num território onde não sentisse qualquer sinal de civilização. Conseguimos sempre tapar os postes ou outro tipo de vestígios".

Mais isolada a equipa de filmagem esteve em Trás-os-Montes, num recanto do rio Águeda, onde o ornitólogo se banha e está com o seu caiaque. Nesse afluente do Douro há uma luz especial. Por saudades ou por instinto, Rodrigues decide mergulhar. Quando se seca, confessa: "lá está, não sinto este local muito real. Para mim, será sempre o começo do filme".

Um dia depois, seguimos ainda mais para norte. Miranda do Douro, no deslumbrante espetáculo do Douro Internacional. Antes da chegada ao décor, numa margem alta do Douro o realizador olha para o céu e vê dois ou três grifos. No fundo, a paixão pelos pássaros não é território de ficção. Se não fosse o cinema, teria seguido Biologia e a pulsão de ornitólogo amador teria sido mais desenvolvida. Aliás, ainda hoje sabe o nome dos pássaros em latim e onde pode avistá-los. Não foi pois por acaso que o filme chegou a ter um ornitólogo aclamado como consultor, Carlos Pacheco. Foi ele quem o levou primeiro a ver espécies mais raras de pássaros, como abutres do Egipto, cegonhas pretas ou águias reais.

Chegados a São João das Arribas, João Pedro Rodrigues lembra-se do número da cena: a 25, onde se filmava o ornitólogo em cima do rio a olhar para as aves. Rui Poças, o diretor de fotografia, tinha vertigens e, por razões de segurança, estava a filmar preso por cordas. Trata-se de um dos mais belos precipícios de Portugal. Paul Hamy, o ator que interpreta o ornitólogo, estava amarrado.
A dada altura, o realizador vai para um dos pontos mais altos e deixa-se ir na observação da paisagem com os potentes binóculos que são usados no filme.

Passado algum tempo, a reflexão é nossa: O Ornitólogo, filme cheio de planos e sempre em exterior, é uma ave rara no nosso cinema. Ainda mais rara se pensarmos que foi filmado com uma câmara Alexa, e em locais de difícil acesso. "Sítios impossíveis de se chegar, tivemos de ir de barco", ajuda o realizador. Sobre as autorizações, ressalva que esta área do Douro é protegida pelo Parque Natural devido à nidificação: "caso contrário, as aves podem abandonar os ninhos, sobretudo na primavera. Convém dizer que são aves realmente raras, sobretudo as cegonhas pretas e o abutre do Egipto".

Curiosamente, as cenas de aves puras e duras do filme foram logo captadas no verão de 2014: "filmar as aves foi mais simples do que pensava. Chegámos com os ornitólogos do parque e foi fácil: eles sabem onde elas fazem os ninhos". Mas em O Ornitólogo as aves também olham o ornitólogo. Rodrigues filmou esse olhar com um material que não gosta - foi intencional: usou a câmara minúscula GoPro e recorreu a drones. Os mais místicos vão sentir o espírito das aves nessas imagens...

A outra pergunta que fica então no ar é se sentiu o lado da aventura durante a rodagem. A resposta é sóbria: "parece mais selvagem... mas interessava-me muito o lado selvagem. Seja como for, é um filme que só poderia ter feito depois de todos os outros que fiz. Interessava-me explorar essa coisa da equipa e de eu próprio em confronto com a natureza. A imensidão da natureza e as suas dificuldades. Quero que essa rudeza passe para o filme. Cheguei a sítios menos acessíveis porque senti que o filme precisava. Os westerns também nos levavam a locais de natureza inóspita e isolada...Tomemos o exemplo do The Revenant - O Renascido, do Iñarritu, filme que não me interessa e que até tem efeitos visuais - é impressionante os locais de natureza selvagem onde filmaram".

Antes, no almoço, teve um encontro inesperado com Margarida Cordeiro, figura maior do cinema português e que realizou Trás-os-Montes, com o marido, António Reis. Cordeiro que foi fundamental para aconselhar locais de floresta para algumas cenas do filme. É o destino, perguntamos? "É incrível", responde o cineasta.

Incrível é também o balanço internacional de Rodrigues. Desde a vitória em Locarno (venceu o prémio de realização) que O Ornitólogo tem circulado pelo mundo inteiro nos melhores festivais (destaque para o impacto muito positivo nos Festivais de Toronto e San Sebastían) e assegurou distribuição em importantes territórios, como os EUA. Um fenómeno só comparado a As Mil e uma Noites, a trilogia de Miguel Gomes, e à produção portuguesa de Raul Ruiz, Mistérios de Lisboa.

"Sobre toda esta solicitação? Não sei se é o efeito do prémio de Locarno... Espero que seja mérito do filme. Está a correr bem e as críticas foram boas, mas isso da receção a uma obra cinematográfica é sempre algo misterioso. Claro que estou contente com o resultado, mas também nunca me envergonho dos filmes que faço. Não teria lata de o mostrar se não estivesse feliz com o resultado", conta.

Mas é em França que poderá haver um impacto maior. O filme estreia-se em novembro e a antestreia é precisamente no Centro Georges Pompidou, possivelmente o centro de artes mais importante no panorama cultural parisiense. Timing pensado para jogar com a mostra integral e exposição que o centro tem agendado para dia 25 novembro sobre o cinema de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, precisamente também o coargumentista de O Ornitólogo.

Mais do que nunca, Rodrigues é um dos nomes mais aclamados no circuito de cinema de arte e ensaio em todo o mundo. Uma aclamação que já se percebeu ultrapassa o fascínio queer. A encomenda do Centro, a curta Où en êtes-vous, João Pedro Rodrigues?, volta a obrigar o cineasta a olhar para si próprio, coisa que O Ornitólogo também já fazia.

No fim deste tour em formato de retro-réperage, é o próprio João Pedro que nos conta o processo não automático da realização da curta-metragem que está a ultimar em França: "é uma espécie de auto-retrato. Tal como os outros cineastas que fizeram estes filmes, não posso ultrapassar os trinta minutos. Apesar de ser sobre mim, não quer dizer que seja só sobre...mim! Tem a ver exatamente como é que eu estou agora. E é também sobre mim a olhar para trás, como foi até chegar a ti. Enfim, é sobre como é que eu me vejo".

Aos 50 anos, João Pedro Rodrigues continua a não ter uma resposta fácil para auto-retratos, mas vive a sua fase mais internacional de sempre. Se em O Ornitólogo está lá a síntese completa do seu cinema e dos seus desejos, no futuro poderá estar o regresso à Ásia, território que ele e João Rui Guerra da Mata estavam empenhados em explorar antes deste O Ornitólogo. As chinesas que amarram este santo ornitólogo no bosque não estão lá por acaso...