Vhils e a sua coleção vão ser vizinhos de Paula Rego em Cascais

O museu de arte urbana de Cascais já tem localização: fica mesmo ao lado do Centro Cultural, naquele que é designado de Bairro dos Museus. Albergará a coleção de Vhils

O nome oficial é Museu de Arte Urbana e Contemporânea de Cascais (MARCC) e a apresentação pública está marcada para quarta-feira, às 21.00, já no espaço que receberá em breve o museu dedicado à arte urbana, a partir da coleção privada de Vhils.

O MARCC reúne cerca de 250 obras da coleção do artista, que simbolicamente, deixará na quarta-feira uma dos seus trabalhos. A este acervo inicial junta-se, de acordo com um comunicado da câmara municipal de Cascais, um conjunto de obras que serão adquiridas pelo município.

Para a apresentação pública do novo espaço, "Vhils está a criar uma obra efémera numa parede construída propositadamente para esta apresentação pública (esta obra irá desaparecer quando entrarem as obras da colecção pessoal do artista)", refere a câmara municipal em comunicado.

O novo museu ocupará cerca de 1700 metros quadrados e fica por baixo da praça D. Diogo de Menezes, da autoria do arquiteto Miguel Arruda, fica ao lado do Centro Cultural de Cascais, a poucos metros da Casa das Histórias Paula Rego, do Museu do Mar e da recentemente recuperada Casa Sommer, sede da biblioteca municipal de Cascais, numa zona a que a autarquia chama de Bairro dos Museus (e para a qual foi criada bilhética conjunta).

O novo museu, revelado em janeiro deste ano, resulta de um acordo entre Vhils, nome por que é conhecido Alexandre Farto, e a câmara municipal de Cascais, liderada por Carlos Carreiras, que se recandidata ao cargo nas eleições do próximo domingo, dia 1.

À apresentação do MARCC, segue-se um concerto com DJ Ride.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.