Vhils e a sua coleção vão ser vizinhos de Paula Rego em Cascais

O museu de arte urbana de Cascais já tem localização: fica mesmo ao lado do Centro Cultural, naquele que é designado de Bairro dos Museus. Albergará a coleção de Vhils

O nome oficial é Museu de Arte Urbana e Contemporânea de Cascais (MARCC) e a apresentação pública está marcada para quarta-feira, às 21.00, já no espaço que receberá em breve o museu dedicado à arte urbana, a partir da coleção privada de Vhils.

O MARCC reúne cerca de 250 obras da coleção do artista, que simbolicamente, deixará na quarta-feira uma dos seus trabalhos. A este acervo inicial junta-se, de acordo com um comunicado da câmara municipal de Cascais, um conjunto de obras que serão adquiridas pelo município.

Para a apresentação pública do novo espaço, "Vhils está a criar uma obra efémera numa parede construída propositadamente para esta apresentação pública (esta obra irá desaparecer quando entrarem as obras da colecção pessoal do artista)", refere a câmara municipal em comunicado.

O novo museu ocupará cerca de 1700 metros quadrados e fica por baixo da praça D. Diogo de Menezes, da autoria do arquiteto Miguel Arruda, fica ao lado do Centro Cultural de Cascais, a poucos metros da Casa das Histórias Paula Rego, do Museu do Mar e da recentemente recuperada Casa Sommer, sede da biblioteca municipal de Cascais, numa zona a que a autarquia chama de Bairro dos Museus (e para a qual foi criada bilhética conjunta).

O novo museu, revelado em janeiro deste ano, resulta de um acordo entre Vhils, nome por que é conhecido Alexandre Farto, e a câmara municipal de Cascais, liderada por Carlos Carreiras, que se recandidata ao cargo nas eleições do próximo domingo, dia 1.

À apresentação do MARCC, segue-se um concerto com DJ Ride.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.