Vhils cria retrato para o Museu de Arte Antiga

Nova exposição do Museu Nacional de Arte Antiga expõe retratos de artistas portugueses da Antiguidade ao século XXI. Dos autores desconhecidos a Amadeo de Souza Cardoso, passando por Rui Chafes, Helena Almeida e Vhils

Alexandre Farto, conhecido como Vhils, é um dos artistas representados na exposição de retratos que o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) inaugura na quinta-feira, às 18.30. Não precisou de esburacar as paredes do velho Palácio Alvor, na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa. A parede veio do bairro para dentro do museu.

As cerca de 200 obras da exposição falam do retrato de portugueses assinado por artistas portugueses e foi batizada Do Tirar Pelo Natural, como o definiu Francisco de Holanda, o primeiro teórico do retrato europeu. Traçam um percurso que vai da Antiguidade ao século XXI, e são oriundas de instituições e colecionadores, portugueses e estrangeiros (como o Museu do Prado, o o Groeningemuseum de Bruges, a Galleria Nazionale di Parma ou os Musées Royaux des Beaux-Arts da Bélgica).

"A mostra cruzará épocas históricas distintas, não se cingindo às classificações tradicionais de estilos, categorias ou géneros, propondo antes uma montagem determinada por um olhar contemporâneo sobre a história do género, quer nos dispositivos de apresentação, quer na aproximação de obras que, aparentemente, não estariam predispostas a ser confrontadas", diz uma nota do MNAA.

Estão lá Adriano de Sousa Lopes, mas também Amadeo de Souza-Cardoso, Ana Vieira, Ângelo Sousa, Aurélia de Sousa, Helena Almeida, Jorge Molder, Pedro Cabrita Reis, Rui Chafes e outros.

Anísio Franco, Filipa Oliveira e Paulo Pires do Vale são os curadores da mostra, que fica até 30 de setembro na galeria de exposições temporárias do MNAA.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".