Veja Noel Gallagher a cantar com os U2 em Londres

O grupo irlandês está a celebrar os 30 anos de "Joshua Tree". Na primeira apresentação em Londres, ontem, também tocaram "Don't Look Back in Anger"

Os U2 chegaram a Londres com o concerto que celebra os 30 anos de Joshua Tree e, na primeira apresentação, convidaram Noel Gallagher, dos Oasis, para interpretar Don't Look Back in Anger. No final, Gallagher dedicou a canção "às pessoas de Manchester", recordando o atentado ocorrido a 22 de maio naquela cidade, num concerto de Ariana Grande.

Este tema tinha já sido interpretado por Liam Gallagher e Ariana Grande no concerto de homenagem às vítimas do atentado e tornou-se uma espécie de hino contra o terrorismo.

Veja o momento em que Noel Gallagher e os U2 tocam juntos:

O disco que os U2 lançaram a 9 de março de 1987 inclui temas incontornáveis do grupo como Where the Streets Have No Name, I Still Haven't Found What I'm Looking For ou With or Without You. Foram vendidas 25 milhões de cópias e o sucesso deste disco transformou os U2 numa das bandas que enchia estádios um pouco por todo o mundo. Para celebrar os 30 anos do disco, os U2 anunciaram em janeiro uma digressão com 25 concertos.

Noel Gallagher e os High Flying Bird estão a fazer a primeira a primeira parte da digressão do U2 no concertos no México, na América do Sul e na Europa. O grupo irlandês apresenta Joshua Tree este fim-de-semana (ontem e hoje) no Twickenham Stadium, em Londres, seguindo depois para Berlim (Alemanha), Roma (Itália), Barcelona (Espanha), Dublin (Irlanda), Paris (França), Amesterdão (Holanda) e Bruxelas (Bélgica). Em setembro, a digressão prossegue no continente americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.