Vassouras, caixotes do lixo, bidões, areia... Sim, os Stomp estão de volta

O grupo britânico vai levar o seu ritmo e humor ao palco do CCB, com oito espetáculos entre amanhã e domingo

Areia, baldes, bidões, canos, escadas metálicas, vassouras... Por momentos, o público parece transportado para o meio de um estaleiro de obras, em vez de estar sentado na plateia de olhos postos no palco a ver um espetáculo que se torna surpreendente a cada segmento que lhe é apresentado.

Parte da magia dos Stomp, que estão de volta a Portugal (tem a certeza de que não ouviu eles a aproximarem-se?), passa por tornar ferramentas comuns do dia-a-dia em inusitados instrumentos musicais. É desta combinação entre o ritmo proporcionado pelo mais inesperado artefacto que se faz a música e a dança que dão corpo a um espetáculo que acaba por cativar sempre pela sua originalidade.

O grupo já atuou na Figueira da Foz e no Coliseu do Porto, no sábado (a reportagem do DN esteve lá e assistiu), e agora segue para fazer oito espetáculos no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, entre amanhã e domingo - o preço dos bilhetes oscila entre os 15 e os 45 euros.

No Porto, um Coliseu muito bem composto pareceu desde cedo rendido ao conjunto de oito performers que além da capacidade de criarem percussão de onde menos se espera e de manterem coreografias bem ensaiadas, num difícil exercício de coordenação, arrebatam o público em definitivo pelo humor.

Quem nunca os viu em palco poderá estranhar, mas o humor é uma espécie de fio condutor que atravessa todo o espetáculo, entre rasgos mais sofisticados ou até em pequenos gestos quase pueris.

O cenário também impressiona: sinais de trânsito, bidões e, claro, os caixotes do lixo, uma imagem de marca de um grupo de um talento sublime, que eleva esta mistura de teatro de rua e concerto de percussão ao patamar de arte de palco.

Entre segmentos mais minimalistas, com a utilização de isqueiros e fósforos, até ao recurso a carrinhos de supermercado ou bancadas de cozinha os Stomp apresentam um espetáculo completo.

Há também jornais - uma edição do DN apareceu em palco entre os broadsheets internacionais -, sacos de papel e de plástico, embalagens, cascas de banana... Tudo o que possa emitir um som pode ir a palco. Até as palmas do público se tornam parte do espetáculo e são tão usadas para criar ritmo como para prestar o devido reconhecimento aos artistas.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.