Vangelis ou a banda sonora poderosa de Blade Runner

Para o som de Blade Runner, Vangelis utilizou técnicas revolucionárias que alteravam a perceção do espectador

Ninguém pode falar sobre o filme Blade Runner sem a música de Vangelis invadir a sua memória e, talvez, o filme de Ridley Scott não fosse tão conseguido se a ambiência sonora não se tornasse esmagadora. A história por trás dessa interação imagem-música tem segredos que os estúdios Nemo revelaram ao pormenor recentemente, a propósito da estreia da sequela, onde se percebe como é que Vangelis compôs os temas após ver o material filmado em dezembro de 1981 e não resistir a aceitar a encomenda.

Diga-se que esta banda sonora, tal como a do filme Chariots of Fire, foi um dos seus maiores sucessos, o que não evitou que, tendo o filme estreado em 1982, só 12 anos depois fosse lançada a banda sonora definitiva e, 25 anos depois, um triplo CD com tudo o que gravara para o filme baseado no conto sobre um caçador de replicantes de Phillip K. Dick.

A sonoridade de Vangelis foi determinante para que o espectador compreendesse as armadilhas dos sentimentos expostos no filme, como os do protagonista Harrison Ford, o exterminador de replicantes que se apaixona por uma mulher-máquina que roça o mais possível o humano e se vê num dilema terrível de a ter de eliminar. Essa cena final, coprotagonizada por Sean Young, em que ela desmonta a farta cabeleira armada que usou durante todo o filme como se através dessa transformação fosse autorizada a ter uma vida nova, tem em fundo a faixa Love Theme, com uma profundidade que compete com o horizonte que surge no ecrã e o saxofone de Dick Morrissey. A banda sonora não vive apenas desse tema e a caixa tripla mostra que compôs sons e canções que obrigavam o espectador a penetrar no filme de um modo total.

O processo de composição e gravação de Vangelis foi especial. Mal o filme foi montado em versão quase definitiva, os técnicos do estúdio de cinema calibraram a sua mesa de mistura com a de montagem do filme e ele sentava-se em frente aos 35 instrumentos que tinha no seu estúdio para compor em função das imagens que observava.

O desafio que Vangelis tinha pela frente exigia que superasse a inovação de Wendy Carlos para o filme Laranja Mecânica, de 1971, onde o sintetizador embrulhara peças clássicas numa sonoridade muito original. Vangelis utilizará os sintetizadores que estavam na moda e que se adaptam ao que se imagina serem os sons de um mundo extraterrestre, mas irá incorporar instrumentos que parecem familiares, evocando essa familiaridade, como seria o caso de harpas orientais, de um modo alterado em estúdio e que influenciavam a perceção do espectador.

Para se perceber o método de Vangelis, parta-se do tema de abertura. As notas são alongadas num sintetizador Yamaha CS-80, com teclas que as permitem adulterar em função de uma pressão menor ou maior. Que se complementam com a execução de outros instrumentos: um Roland VP--330 VocoderPlus para imitar os instrumentos de cordas; um Fender Rhodes para os do piano; um Prophet 10 para os efeitos; um Emulator com uma arquivo de sons e um Yamaha GS-1 para a percussão. Todos eles são reverberados por um processador Lexicon 224... O processo criativo levou quatro meses e a banda sonora ficou para a história, rivalizando com a inovadora estética do filme. Tanto assim que no trailer de Blade Runner 2049, a primeirâ sonoridade faz o espectador regressar à mítica elaboração de Vangelis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.