Vangelis ou a banda sonora poderosa de Blade Runner

Para o som de Blade Runner, Vangelis utilizou técnicas revolucionárias que alteravam a perceção do espectador

Ninguém pode falar sobre o filme Blade Runner sem a música de Vangelis invadir a sua memória e, talvez, o filme de Ridley Scott não fosse tão conseguido se a ambiência sonora não se tornasse esmagadora. A história por trás dessa interação imagem-música tem segredos que os estúdios Nemo revelaram ao pormenor recentemente, a propósito da estreia da sequela, onde se percebe como é que Vangelis compôs os temas após ver o material filmado em dezembro de 1981 e não resistir a aceitar a encomenda.

Diga-se que esta banda sonora, tal como a do filme Chariots of Fire, foi um dos seus maiores sucessos, o que não evitou que, tendo o filme estreado em 1982, só 12 anos depois fosse lançada a banda sonora definitiva e, 25 anos depois, um triplo CD com tudo o que gravara para o filme baseado no conto sobre um caçador de replicantes de Phillip K. Dick.

A sonoridade de Vangelis foi determinante para que o espectador compreendesse as armadilhas dos sentimentos expostos no filme, como os do protagonista Harrison Ford, o exterminador de replicantes que se apaixona por uma mulher-máquina que roça o mais possível o humano e se vê num dilema terrível de a ter de eliminar. Essa cena final, coprotagonizada por Sean Young, em que ela desmonta a farta cabeleira armada que usou durante todo o filme como se através dessa transformação fosse autorizada a ter uma vida nova, tem em fundo a faixa Love Theme, com uma profundidade que compete com o horizonte que surge no ecrã e o saxofone de Dick Morrissey. A banda sonora não vive apenas desse tema e a caixa tripla mostra que compôs sons e canções que obrigavam o espectador a penetrar no filme de um modo total.

O processo de composição e gravação de Vangelis foi especial. Mal o filme foi montado em versão quase definitiva, os técnicos do estúdio de cinema calibraram a sua mesa de mistura com a de montagem do filme e ele sentava-se em frente aos 35 instrumentos que tinha no seu estúdio para compor em função das imagens que observava.

O desafio que Vangelis tinha pela frente exigia que superasse a inovação de Wendy Carlos para o filme Laranja Mecânica, de 1971, onde o sintetizador embrulhara peças clássicas numa sonoridade muito original. Vangelis utilizará os sintetizadores que estavam na moda e que se adaptam ao que se imagina serem os sons de um mundo extraterrestre, mas irá incorporar instrumentos que parecem familiares, evocando essa familiaridade, como seria o caso de harpas orientais, de um modo alterado em estúdio e que influenciavam a perceção do espectador.

Para se perceber o método de Vangelis, parta-se do tema de abertura. As notas são alongadas num sintetizador Yamaha CS-80, com teclas que as permitem adulterar em função de uma pressão menor ou maior. Que se complementam com a execução de outros instrumentos: um Roland VP--330 VocoderPlus para imitar os instrumentos de cordas; um Fender Rhodes para os do piano; um Prophet 10 para os efeitos; um Emulator com uma arquivo de sons e um Yamaha GS-1 para a percussão. Todos eles são reverberados por um processador Lexicon 224... O processo criativo levou quatro meses e a banda sonora ficou para a história, rivalizando com a inovadora estética do filme. Tanto assim que no trailer de Blade Runner 2049, a primeirâ sonoridade faz o espectador regressar à mítica elaboração de Vangelis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.