"Vai ser um concerto a que eu gostava de assistir"

Raquel Tavares apenas adianta que ela e Carlos do Carmo estão a tratar o alinhamento do espetáculod e sábado, 18 de novembro, no Campo Pequeno, com muito carinho.

Que concerto vai ser este?

Não é novidade cantarmos juntos, mas neste concerto vamos fazê-lo de uma maneira bastante atrativa. O Carlos é um artista muito generoso e achou interessante fazer um tipo diferente de concerto. Não posso estragar a surpresa, mas posso dizer que estamos a tratar com muito carinho o alinhamento, queremos que fique na memória das pessoas. Modéstia à parte, vai ser um concerto a que eu gostaria de assistir. É um orgulho estar ao lado do Carlos, ele é um artista muito generoso com a nova geração e faz sempre tudo para nos fazer sentir confortáveis . Não nos sentimos intimidados, pelo contrário.

O que anda a fazer?

No dia 24 sai o meu novo disco, Roberto Carlos por Raquel Tavares. Foi um convite do produtor brasileiro Max Pierre, que já produziu Maria Bethânia, Caetano Veloso, Ney Matogrosso. Aceitei sem pestanejar porque Roberto Carlos foi, a par do Rui Veloso, um dos grandes cantores da minha vida.

Sabia as canções dele de cor?

Sabia praticamente todas. São 14 temas, há participações que ainda não divulgamos. Vamos devagarinho tirar proveito dos galhardetes que temos neste álbum. Foi gravado com orquestração do Brasil, aqui em Portugal contámos com a guitarra portuguesa do Bernardo Couto, um exímio guitarrista. É tudo cantado em português de Portugal mas respeita a letra original brasileira.

Pode revelar um dos títulos?

Como É Grande o Meu Amor por Você, que é o single, e outras canções muito emotivas do repertório dele. É um disco que me recorda muito a minha infância, sempre o ouvi, e como passei muito tempo no Rio de Janeiro ainda fiquei a conhecer mais.

Conhece-o pessoalmente?

Não tive essa sorte. Assisti ao último concerto dele em Lisboa e chorei o tempo todo, como de resto chorei em cada take que gravei em estúdio. Embora seja uma fadista, respeitei a linha melódica e a doçura que ele tem, muni-me disso tudo para homenagear o Rei. No último disco tive o rei do rock português, o Rui Veloso, vou cantar com o rei vivo que é o senhor Carlos do Carmo, já cantei com outro rei que é o Paulo de Carvalho. Sou uma privilegiada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.