Uma tremenda Diane Kruger

Crítica ao filme "Uma Mulher Não Chora", de Fatih Akin.

Germânico de ascendência turca, Fatih Akin já tinha deixado marcas dessa específica identidade cultural nos filmes A Esposa Turca (2004) e Do Outro Lado (2007). Neste Uma Mulher Não Chora, regressa ao tema que lhe é próximo da pele, colocando no centro da história uma alemã e o seu marido de origem turca.

Depois de um atentado à bomba, levado a cabo por neonazis que lhe matam o homem e o filho, a protagonista atravessará o luto num misto de angústia insuportável e procura de justiça seja qual for a expressão desta.

Diane Kruger (alemã, no seu primeiro filme alemão, premiada em Cannes) é aqui o rosto que se presta à lente de Akin com simultânea força e vulnerabilidade, traduzindo o contexto emocional com um sentido de franqueza que raramente se alcança no grande ecrã. A robustez do filme está na condução dessa dor visível.

Classificação: *** (Bom)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).