Uma tremenda Diane Kruger

Crítica ao filme "Uma Mulher Não Chora", de Fatih Akin.

Germânico de ascendência turca, Fatih Akin já tinha deixado marcas dessa específica identidade cultural nos filmes A Esposa Turca (2004) e Do Outro Lado (2007). Neste Uma Mulher Não Chora, regressa ao tema que lhe é próximo da pele, colocando no centro da história uma alemã e o seu marido de origem turca.

Depois de um atentado à bomba, levado a cabo por neonazis que lhe matam o homem e o filho, a protagonista atravessará o luto num misto de angústia insuportável e procura de justiça seja qual for a expressão desta.

Diane Kruger (alemã, no seu primeiro filme alemão, premiada em Cannes) é aqui o rosto que se presta à lente de Akin com simultânea força e vulnerabilidade, traduzindo o contexto emocional com um sentido de franqueza que raramente se alcança no grande ecrã. A robustez do filme está na condução dessa dor visível.

Classificação: *** (Bom)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.