Uma orelha cada vez mais colorida

Os Orelha Negra estão de regresso com um novo disco, o terceiro, homónimo, no qual alargam o seu universo musical a novas constelações, numa viagem musical que redefine, mais uma vez, a raiz hip-hop da banda.

Foi a 16 de janeiro de 2016, que os Orelha Negra apresentaram pela primeira vez, perante um Grande Auditório do CCB completamente lotado, as músicas agora finalmente transformadas em disco, quase dois anos depois. Impõem-se portanto a pergunta, para início de conversa com a banda: Porquê tanto tempo? A questão tem sido recorrente por estes dias, como o sorriso de Sam the Kid logo deixa perceber. "Têm-nos feito muito essa pergunta ultimamente, mas tem apenas a ver com um método nosso. Para apressarmos o trabalho marcamos sempre um concerto, para nos obrigar a criar um novo repertório. Também aconteceu assim com o primeiro concerto de sempre dos Orelha Negra, no Musicbox, que acabaria por resultar depois no disco de estreia", revela o produtor. "Claro que gostaríamos que tivesse saído mais cedo, mas também não nos pressionámos, porque não gostamos de fazer as coisas à pressa", acrescenta o baterista Fred Ferreira. "Conseguimos ter sempre um prazo para apresentar um álbum, mas nunca para o ter pronto", salienta Sam the Kid, para quem a parte de criar repertório "até é um processo rápido. Mas a partir daí ainda há muito para fazer, especialmente num grupo como os Orelha Negra, em que a música normalmente nasce de um sample, uma batida ou de uma simples linha melódico e, a partir daí, vai sendo construída em sucessivas camadas sonoras.

"Acima de tudo somos independentes de qualquer pressão editorial e podermos trabalhar ao nosso ritmo dá-nos liberdade para gerir o tempo e deixar que as músicas cheguem ao ponto certo. Não somos aquele tipo de banda que pode passar três meses a trabalhar num álbum. Todos nós temos outros projetos e as nossas vidas profissionais não nos permitem fazer isso", conclui o baixista Francisco Rebelo.

Trata-se, portanto, "de um método como outro qualquer", como explica Fred, "que tem resultado muito bem" para os Orelha Negra. Como aliás mais um vez se comprova neste terceiro álbum homónimo, porventura o mais completo da discografia do quinteto composto por Sam the Kid, Fred Ferreira, DJ Cruzfader, Francisco Rebelo e João Gomes. De todos, só o teclista João Gomes está ausente da conversa, devido - lá está - a outros compromissos profissionais.

Para quem conhece os trabalhos anteriores do grupo, o novo disco não deixará de ser uma pequena surpresa, não só pelas diversas camadas sonoras, que se vão revelando a cada audição, como pelo alargar do universo sonoro dos Orelha Negra, que neste trabalho, tendo sempre como ponto de partida as raízes soul e funk do hip-hop, se expande até territórios mais próximos do psicadelismo retro de um prog-kraut-rock.

"Tenho andado a ouvi-lo no carro e até eu ainda estou sempre a descobrir coisas novas", confessa Fred. No meio disto tudo há ainda uma assumida e inédita aproximação ao formato canção. Um dos responsáveis por isso é DJ Cruzfader, o homem a quem cabe escolher a maioria dos samples utilizados e que neste disco teve um papel bem mais ativo que nos anteriores, como todos e especialmente o próprio, reconhecem. "Neste disco fiz muito mais trabalho de casa. Quando chegámos ao estúdio, já levava feita uma pesquisa de várias sonoridades, que me permitiu adiantar muito o trabalho durante o processo de gravação e composição", afirma o dj. "Nos outros discos trabalhámos mais em registo de ensaio, enquanto neste começámos logo a gravar, à medida que íamos compondo. Isto permitiu um maior envolvimento do Cruz, que anteriormente só começava a participar mais no processo de pós-produção", acrescenta Francisco Rebelo.

"Foi um álbum criado de raiz, feito a partir de ideias muito em bruto", sustenta Sam the Kid, que, sobre a nova sonoridade, diz tratar-se apenas da "evolução natural" do grupo. "Quando fizemos o primeiro disco ainda não conhecíamos a nossa identidade, estávamos a construí-la. No segundo já conseguimos criar um imaginário e, a partir daí, o maior desafio passa por não repetir ideias. Não queremos fazer aquele grande álbum, que todos vão recordar, mas sim mais discos como este, ambiciosos e arriscados, com um envolvimento cada vez maior de todos. O próximo terá com certeza outras sonoridades que ainda não experimentámos", garante.Porque a viagem dos Orelha Negra ainda mal começou, como todos estes músicos perceberam, quando se juntaram pela primeira vez, em 2009, para criar um projeto pensado para tocar em pequenos clubes, mas que depressa se tornou abrangente e transversal, em termos de público. "Tivemos logo a sensação que ia ser o início de uma longa história", frisa Fred. E sim, "haverá mais, muitos mais discos" dos Orelha Negra, prometem.

Orelha Negra

Orelha Negra

Editora Meifumado

PVP: 11,99 euros

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.