Uma noite para recordar Zé Pedro no SBSR

Amigos e família sobem ao palco do Super Bock Super Rock, no Parque das Nações, numa partilha de afetos pelo eterno guitarrista português.

O tributo esperado ao maior ídolo da música portuguesa vai acontecer no Palco Super Bock Super Rock, na primeira noite da 24ª edição do festival, a 19 de julho, no Parque das Nações, em Lisboa. Os convidados incluem muitos dos amigos e companheiros de estrada de Zé Pedro, fundador e guitarrista dos Xutos & Pontapés, falecido a 30 de novembro passado, aos 61 anos.

Carlão, João Pedro Pais, Ladrões do Tempo, Manel Cruz, Manuela Azevedo, Palma's Gang, Paulo Gonzo, Rui Reininho e Tomás Wallenstein são os nomes que vão marcar presença na segunda noite do festival do Parque das Nações que conta também com The xx e The Justice em cartaz. Todos vão subir a palco numa homenagem de afetos para lembrar Zé Pedro, num concerto intitulado "Who da F*uck is Zé Pedro?", numa alusão à t-shirt do próprio músico.

"Esta vai ser uma festa de amigos do Zé e uma forma de agradecer à pessoa que nos marcou a todos", revelou Luís Montez, à frente da Música no Coração, promotor do evento, na apresentação aos jornalistas, esta quinta-feira, no Hub Criativo do Beato, em Lisboa. Zé Pedro marcou presença em oito edições do festival, segundo Montez. "Fora todas as outras em que foi como espectador", refere ainda.

Num hino à vida do membro dos Xutos & Pontapés, todos os convidados responderam à chamada para interpretar temas icónicos da sua carreira. "Eu meti-me ao barulho porque queria aproveitar este momento para reunir tantos dos que estiveram com ele, vamos escolher temas dos Xutos escritos por ele e outros", assinalou Tim, que passou a palavra a Fred Ferreira, ambos na direção artística do tributo. "Esta é uma forma de fazer o rock que ele sempre nos passou", acrescentou o filho de Kalu.

A banda que vai acompanhar o lote de artistas vai contar com António Reis Colaço, sobrinho de Zé Pedro, Fred Ferreira, filho de Kalu, João Nascimento, filho de Gui, Joel Cabeleira, sobrinho de João Cabeleira, Marco Nunes, sobrinho de Kalu, Nuno Espírito Santo, Sebastião e Vicente Santos, filhos de Tim.

"É, sobretudo, um grande privilégio fazer esta homenagem a um amigo de longa data, vai ser uma grande celebração, reúne todas as pessoas que estiveram ligadas ao Zé", disse Tó Trips ao DN. João Pedro Pais lembrou igualmente o amigo, e, sobretudo a última vez que estiveram juntos. "Tínhamos uma grande cumplicidade, não tínhamos idade quando estávamos juntos. A última vez que estive com ele foi no dia 9 de outubro, ele já estava fisicamente muito frágil, e ainda trocámos opiniões, ele sorriu quando lhe disse que a cabeça continuava muito viva", revelou o músico, considerando a homenagem "mais do merecida" também por tudo o que fez pela música portuguesa, na dedicação e divulgação de novos músicos e novas bandas.

"É o músico mais carismático de sempre, espalhava sorrisos, marcou gerações e marcou mesmo quem não o conhecia pessoalmente. Vou cantar uma música muito especial que ele conhecia", acrescentou, para, de seguida, se reunir em palco com os restantes colegas. Manuela Azevedo e Carlão não puderam estar presentes mas gravaram em vídeo as palavras de agradecimento por serem convidados num tributo tão especial.

Também Filipa Palha, psicóloga e fundadora da Acreditar+se, a Associação de Apoio a Pessoas com Perturbação Mental Grave, à qual Zé Pedro e a mulher Cristina se associaram há 12 anos, fez questão de destacar o apoio do músico desde o primeiro dia. "Foi um privilégio poder contar come ele desde início, no combate ao estigma da doença, quando lhe propus, ele associou-se imediatamente", recordou. A solidariedade de Zé Pedro será perpetuada no festival com a venda de uma t-shirt exclusiva com a fotografia de Zé Pedro, a reverter a favor da associação.

Os Xutos & Pontapés, que integram Tim, Kalú, Gui e João Cabeleira, decidiram continuar ativos e estão a finalizar um novo álbum, intitulado Duro, ainda sem data de edição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.