Uma banda desenhada para o Guinness. São 1,6 km de quadradinhos

Ao longo de 1 602 vinhetas conta-se a história de Léa, uma jovem de 16 anos que faz uma viagem espácio-temporal do era glaciar ao ano 10.000

Um tira de banda desenhada com 1 600 metros bateu este sábado o recorde mundial da mais longa obra do género, anunciou um dos organizadores deste desafio. Criada ao longo de um túnel em Lyon, França, serve de promoção à 11.ª edição do Festival de BD desta cidade francesa, que terá lugar no fim de semana de 4 e 5 de junho.

Com um total de 1 602 vinhetas, a tira foi realizada por uma centena de alunos da escola de BD Emile Cohl, em Lyon, e da escola Joso Comic, em Barcelona, sob a direção dos consagrados autores de banda desenhada Jibé e Yan le Pon.

6wkCr47vwN0

Ao longo do túnel pedonal e para transportes amigos do ambiente - velocípedes e autocarros -, a tira conta história de uma jovem de 16 anos, Léa, que faz uma viagem no tempo, desde a era glaciar ao ano 10.000 nas cidades de Lyon e Barcelona.

A iniciativa devolve à cidade de Lyon um recorde que já tinha sido seu. Em 2011, o Lyon BD Festival fixou este recorde pela primeira vez ao criar uma banda desenhada com um quilómetro de extensão.

Em resposta, três anos depois um grupo de autores novaiorquinos chamou a si este recorde desenhando uma tira de BD com 1,2 km, revelada em abril de 2014. Agora, o recorde voltou a ser quebrado. "Fizémos uma banda desenhada com 1 600 metros, mais exatamente, 1 625 metros", disse à AFP Mathieu Diez, diretor do Lyon BD Festival.

Realizada pelo, a mais extensa tira de BD tinha a apresentação ao público prevista para o fim de semana de 14 novembro do ano passado. Mas na sequência dos atentados de Paris, as festividades foram canceladas.

A tira será filmada e medida este domingo perante representantes das autoridades locais e o recorde será validado às 14h00, mediante inscrição no Livro de Recordes do Guinness.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.