Uma banda desenhada para o Guinness. São 1,6 km de quadradinhos

Ao longo de 1 602 vinhetas conta-se a história de Léa, uma jovem de 16 anos que faz uma viagem espácio-temporal do era glaciar ao ano 10.000

Um tira de banda desenhada com 1 600 metros bateu este sábado o recorde mundial da mais longa obra do género, anunciou um dos organizadores deste desafio. Criada ao longo de um túnel em Lyon, França, serve de promoção à 11.ª edição do Festival de BD desta cidade francesa, que terá lugar no fim de semana de 4 e 5 de junho.

Com um total de 1 602 vinhetas, a tira foi realizada por uma centena de alunos da escola de BD Emile Cohl, em Lyon, e da escola Joso Comic, em Barcelona, sob a direção dos consagrados autores de banda desenhada Jibé e Yan le Pon.

6wkCr47vwN0

Ao longo do túnel pedonal e para transportes amigos do ambiente - velocípedes e autocarros -, a tira conta história de uma jovem de 16 anos, Léa, que faz uma viagem no tempo, desde a era glaciar ao ano 10.000 nas cidades de Lyon e Barcelona.

A iniciativa devolve à cidade de Lyon um recorde que já tinha sido seu. Em 2011, o Lyon BD Festival fixou este recorde pela primeira vez ao criar uma banda desenhada com um quilómetro de extensão.

Em resposta, três anos depois um grupo de autores novaiorquinos chamou a si este recorde desenhando uma tira de BD com 1,2 km, revelada em abril de 2014. Agora, o recorde voltou a ser quebrado. "Fizémos uma banda desenhada com 1 600 metros, mais exatamente, 1 625 metros", disse à AFP Mathieu Diez, diretor do Lyon BD Festival.

Realizada pelo, a mais extensa tira de BD tinha a apresentação ao público prevista para o fim de semana de 14 novembro do ano passado. Mas na sequência dos atentados de Paris, as festividades foram canceladas.

A tira será filmada e medida este domingo perante representantes das autoridades locais e o recorde será validado às 14h00, mediante inscrição no Livro de Recordes do Guinness.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.