Um trailer de duas horas

Talento não falta, mas o caderno de encargos dos efeitos especiais é demasiado extenso

Na ânsia de produzir mais uma sequela para ocupar o planeta, alguém se lembrou de que uma grande ideia (?) seria reencenar o Homem-Aranha, não como jovem vigilante da grande metrópole, antes como adolescente com as hormonas em ebulição...

Entenda-se: a sexualidade exprime-se, aqui, através de algumas trocas de olhares castos que, tal e qual, podiam figurar numa minificção "romântica" para um anúncio de desodorizante. Vogamos em plena esquizofrenia concetual: por um lado, talento não falta a Homem-Aranha: Regresso a Casa, a começar por Tom Holland, o novo intérprete principal; por outro lado, o filme vai cumprindo, com esforçada monotonia, um caderno de encargos definido pelos técnicos de efeitos especiais.

Enfim, a deontologia obriga-nos a não revelar que o companheiro de quarto de Peter Parker descobre a sua identidade secreta de Homem-Aranha. E também que o mau da fita, uma espécie de enorme pássaro metálico, é a personagem interpretada por Michael Keaton. Ou ainda que há uma cena fulcral em que esse malvado parte ao meio um ferryboat, o Homem-Aranha consegue manter as duas partes ligadas com os fios das suas teias e, enfim, o Homem de Ferro, interpretado por Robert Downey Jr., vem ajudar a completar o salvamento... Mas de que deontologia estamos a falar? A revelação de todas essas peripécias está... no trailer do filme!

Dir-se-ia que há filmes que já não são filmes, apenas trailers dilatados para duas horas de duração (143 minutos neste caso). Resta uma consolação: em alguns momentos, Robert Downey Jr. volta a mostrar o rosto - sem a sua carapaça de ferro, lembramo-nos que ele tem sido o mais subaproveitado dos grandes atores americanos. E é triste lembrarmo-nos disso.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.