Um trailer de duas horas

Talento não falta, mas o caderno de encargos dos efeitos especiais é demasiado extenso

Na ânsia de produzir mais uma sequela para ocupar o planeta, alguém se lembrou de que uma grande ideia (?) seria reencenar o Homem-Aranha, não como jovem vigilante da grande metrópole, antes como adolescente com as hormonas em ebulição...

Entenda-se: a sexualidade exprime-se, aqui, através de algumas trocas de olhares castos que, tal e qual, podiam figurar numa minificção "romântica" para um anúncio de desodorizante. Vogamos em plena esquizofrenia concetual: por um lado, talento não falta a Homem-Aranha: Regresso a Casa, a começar por Tom Holland, o novo intérprete principal; por outro lado, o filme vai cumprindo, com esforçada monotonia, um caderno de encargos definido pelos técnicos de efeitos especiais.

Enfim, a deontologia obriga-nos a não revelar que o companheiro de quarto de Peter Parker descobre a sua identidade secreta de Homem-Aranha. E também que o mau da fita, uma espécie de enorme pássaro metálico, é a personagem interpretada por Michael Keaton. Ou ainda que há uma cena fulcral em que esse malvado parte ao meio um ferryboat, o Homem-Aranha consegue manter as duas partes ligadas com os fios das suas teias e, enfim, o Homem de Ferro, interpretado por Robert Downey Jr., vem ajudar a completar o salvamento... Mas de que deontologia estamos a falar? A revelação de todas essas peripécias está... no trailer do filme!

Dir-se-ia que há filmes que já não são filmes, apenas trailers dilatados para duas horas de duração (143 minutos neste caso). Resta uma consolação: em alguns momentos, Robert Downey Jr. volta a mostrar o rosto - sem a sua carapaça de ferro, lembramo-nos que ele tem sido o mais subaproveitado dos grandes atores americanos. E é triste lembrarmo-nos disso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.