Um Palácio por acabar há mais de 200 anos

As obras de remate da ala poente do Palácio Nacional da Ajuda decorrem desde fevereiro. Projeto estará concluído no primeiro trimestre de 2020 e custará 21 milhões de euros

O projeto inicial do Palácio Nacional da Ajuda deveria ir até ao rio, mas nunca foi concluído. Pelo caminho fizeram-se várias tentativas. Após o terramoto de 1755, a família real instala-se nesta zona, na Real Barraca. Projeto estará concluído no primeiro trimestre de 2020.

1794 - Destruída num incêndio a Real Barraca, inicia-se o processo de construção do edifício definitivo.

1795 - Começa a construção do edifício, segundo o projeto do arquiteto Manuel Caetano de Sousa (1738 - 1802). Mestre António Vicente é responsável pelas obras.

1801 - Por decreto régio, alterações às obras só as que resultarem do acordo entre Manuel Caetano de Sousa, Joaquim de Oliveira, José da Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri (1761 - 1817). Pede-se que se economize.

1802 - Manuel Caetano de Sousa é afastado projeto. Costa e Silva e Fabri vêm a ser nomeados arquitetos das Obras Públicas.

1809 - A família real está refugiada no Brasil, na sequência das Invasões Francesas, e as obras param definitivamente.

1812 - Francisco Fabri idealiza palácio com quatro torreões angulares e as obras são retomadas no ano seguinte.

1826 - O palácio é inaugurado como residência régia. A infanta D. Isabel Maria, regente do reino, instala-se. É ela quem virá a propor ao arquiteto que o palácio 'encolha'.

1834 - D. Pedro IV tenta acabar o palácio, conforme projeto de Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1806 - 1896).

1861 - D. Luís é aclamado rei a 22 de dezembro e no ano seguinte, Possidónio da Silva e Costa Sequeira iniciam obras que visam a instalação da família real. Aposentos são decorados com tapeçarias espanholas, são adquiridos três lustres de cristal em Inglaterra, a sala cor de rosa é ornada com peças de Saxe, a mobília é executada pela Casa Krieger, Suc. Racault de Paris, fazem-se obras na capela.

1863 - D. Carlos nasce a 28 setembro na Sala Verde do palácio

1910 - Com a implantação da República, os trabalhos iniciados por D. Carlos param em definitivo.

1934 - O ministro das obras públicas Duarte Pacheco (1898 - 1943) pede ao arquiteto Raul Lino (1879 - 1974) para elaborar um projeto para terminar o edifício, que conhece uma nova forma em 1944.

1956 - Raul Lino é chamado a elaborar mais um projeto, desta vez a pedido de Arantes e Oliveira. No mesmo ano, surge um estudo de complemento do palácio dos Serviços de Monumentos Nacionais.

1958 - A fachada hoje por concluir e as abóbadas dos arcos não existiam, como mostrou o arquiteto João Carlos Santos numa fotografia durante a apresentação do projeto, ontem. Encostada ao palácio existia uma casa, tal como na Calçada da Ajuda, entretanto demolida. "É por isso que a Calçada da Ajuda é mais larga nesta zona", segundo o arquiteto responsável pelo atual projeto de remate.

1961 - Zona envolvente é requalificada, nascendo um espaço ajardinado.

1967 - "O atual gabinete do ministro ainda não estava concluído", afirma João Carlos Santos, mais uma vez recorrendo a imagens de arquivo do Palácio Nacional da Ajuda.

1974 - A ala norte sofre danos consideráveis na sequência de um incêndio.

1979 - "Dá-se início a um projeto de conclusão da ala poente. Foi o único que teve alguma execução e resultou na fachada que hoje conhecemos", refere João Carlos Santos. A grua que ainda se pode ver em fotografias de arquivo caiu e o empreiteiro que era então responsável pela obra desapareceu.

1989 - António Lamas, presidente do Instituto Português do Património Cultural, convida Gonçalo Byrne para elaborar um plano de finalização do palácio. O arquiteto "fez duas maquetas e vários desenhos, visando terminar a ala do palácio e criar um avançado que permitia uni-lo ao Jardim das Damas; o arquiteto previa a construção de duas zonas residenciais nas imediações, que permitiam custear 75% dos custos da obra.".

2016 - Câmara de Lisboa e Ministério da Cultura anunciam conclusão do palácio 222 anos depois, em setembro. Projeto é assinado por João Carlos Santos, arquiteto e subdiretor da Direção-Geral do Património Cultural.

Fonte: SIPA - Sistema de Informação do Património Arquitetónico e João Carlos Santos, arquiteto da DGPC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.