"Um destes dias há uma calamidade no Museu Nacional de Arte Antiga"

"Quando acontecer, abre os telejornais", avisa o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga. "O país tem um grave problema a resolver" no museu porque "aquilo vai partir e vai partir em muito pouco tempo".

António Filipe Pimentel avisou hoje que "um destes dias há uma calamidade no museu" porque se anda a "brincar ao património", afirmando que as tutelas dispõem de toda a informação cabal.

O alerta sobre as condições do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) foi deixado hoje de manhã na Escola de Quadros do CDS-PP, que decorre até domingo em Peniche, durante um painel intitulado "Qual a importância económica da cultura?", no qual participou o diretor do museu juntamente com Pedro Mexia, consultor para a área cultural do Presidente da República.

"São 64 pessoas para 82 salas abertas ao público. De certeza absoluta que um destes dias há uma calamidade no museu. Só pode, porque andamos a brincar ao património. Mas a esta altura todas as tutelas dispõem de toda a informação cabal do que vai acontecer, mas quando acontecer, abre os telejornais", avisou António Filipe Pimentel, sem concretizar exatamente a que problemas se refere.

Segundo diretor do MNAA é preciso "mudar urgentemente" porque "as necessidades do Museu Nacional de Arte Antiga são totalmente diferentes, em escala, das necessidades dos outros museus", com a exceção do Museu dos Coches.

"O Governo tem na mão o projeto-lei, o instrumento de mudança", afirmou, dizendo que viu "com grande gosto" no último programa de Governo do PSD e do CDS a autonomia e ampliação do museu.

António Filipe Pimentel alertou que "o país tem um grave problema a resolver" no museu porque "aquilo vai partir e vai partir em muito pouco tempo".

O diretor confidenciou que a nova galeria de pintura e escultura portuguesa, aberta a meio de julho, "só não fechou no dia seguinte à inauguração solene pela razão simples de que foi inaugurada pelo senhor Presidente da República e o impacto político do encerramento era dramático".

Por seu turno, Pedro Mexia - que começou por explicar aos jovens centristas presentes que não estava a falar na qualidade de consultor do Presidente da República - manifestou-se "próximo do CDS, pelo menos nos dias em que o CDS não é próximo do MPLA".

"Nesses dias sou um bocadinho menos próximo", disse, criticando a presença da comitiva centrista no congresso do MPLA, em Angola.

Sobre a relação difícil entre dinheiro e economia, Pedro Mexia falou do "desconforto irritante, mas interessante filosoficamente" de "legitimar uma coisa inútil [cultura] com uma coisa útil [economia].

Segundo o também comentador, assim como os partidos à esquerda têm um desconforto com as Forças Armadas, os partidos à direita têm isso com a cultura.

Para Pedro Mexia, "é importante lutar pela bioversidade cultural" porque é importante que um país civilizado tenha teatro, cinema, ópera e uma Estado não se pode dissociar daquilo que é a vida cultural do país.

"Não é totalmente irrelevante para os poderes públicos o que acontece na Cultura. O Estado não se pode demitir", defendeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.