Um cheirinho de Roger Waters no ar

O antigo baixista dos Pink Floyd lança single hoje e álbum em junho.

Smell the Roses é o título do single do novo álbum de Roger Waters, desde hoje disponível para audição ou compra. Com ressonâncias óbvias dos Pink Floyd dos anos 70, o tema faz parte de Is this the life we really want?, que vai ser editado no dia 2 de junho e está já em pré-venda.

Aos 73 anos, Roger Waters lança o primeiro disco de originais em 12 anos, após a ópera Ça ira, e o primeiro de rock em 25 anos depois de Amused to Death (remasterizado em 2015).

Is this the life we really want? foi produzido por Nigel Godrich (também responsável pelos arranjos), que tem no currículo colaborações com Beck, Radiohead, Paul McCartney ou U2.

Baixista, cantor, compositor e ativista, Roger Waters foi fundador e figura de proa dos Pink Floyd. Assumiu a liderança criativa nos últimos anos em que fez parte do grupo: The Wall ou The Final Cut são obras de Waters, que acabou por sair em conflito, em 1985. A solo editou The Pros and Cons of Hitch Hiking, Radio K.A.O.S. e os já citados Amused to Death e Ça Ira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.