Um ano charneira em que Woody Allen coexistiu com Travolta

Em 1977, Hollywood produziu filmes de grande espetáculo e também Annie Hall - a revelação do ano foi John Travolta

É bem verdade que 1977 ficou como um ano charneira na evolução da produção cinematográfica americana. Para além dos filmes bons ou maus que foram feitos, importa sublinhar o facto de as suas memórias envolverem uma espantosa variedade de produção.

1977 é o ano de objetos de grande espetáculo como Encontros Imediatos do Terceiro Grau, A Guerra das Estrelas ou Uma Ponte Longe Demais, filme de guerra coproduzido com a Grã-Bretanha, realizado por Richard Attenborough. Mas é também a época da ironia romântica de Annie Hall, de Woody Allen, ou desse requiem pela tradição do género musical que é New York, New York, de Martin Scorsese.

Em 1975, o sucesso de Tubarão, de Steven Spielberg, tinha dado origem à idade dos blockbusters (que, convém lembrar, se prolonga no presente). Dito de outro modo: os grandes estúdios da indústria iriam investir cada vez mais em produtos de rápida rentabilização, mais ou menos ligados a modelos fantásticos e de aventura.

Os efeitos de tal transformação ainda não seriam muito claros, até porque a paisagem criativa envolvia os mais sedutores contrastes, integrando ainda alguns nomes incontornáveis do classicismo de Holly-wood. Foi em 1977, por exemplo, que Fred Zinnemann dirigiu Julia, com Jane Fonda e Vanessa Redgrave. Como contraponto, encontrávamos David Lynch a estrear-se na realização, com Eraserhead. Isto sem esquecer que um dos fenómenos de popularidade do ano seria um jovem praticamente desconhecido, de seu nome John Travolta: ao protagonizar Febre de Sábado à Noite, de John Badham, Travolta transformava-se numa estrela planetária, assumindo uma personagem enraizada, não nas novas aventuras mais ou menos intergalácticas, mas ainda numa certa tradição de realismo social.

Foi também o ano em que se estrearam intérpretes como Meryl Streep (Julia), Sigourney Weaver (Annie Hall) ou Mel Gibson (Summer City, produção australiana). No dia de Natal de 1977 morreu Charlie Chaplin.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.